segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Primeiro lanche do McDonald´s

Quem acompanha o blog ou convive comigo, sabe que eu procuro fazer com que a Malu se alimente da maneira mais saudável possível, mas não sou radical. Ela está crescendo e, como qualquer criança, tem direito a comer uma "besteirinha" de vez em quando. Eu disse de vez em quando, viu?

Nessas horas, a rede de lanchonetes McDonald´s acaba sendo uma boa opção, pois possuem um cardápio padronizado e tabelas com os alergênicos de cada produto, o que nem sempre encontramos em outros estabelecimentos. 

A Malu já havia comido a batata frita do McDonald´s algumas vezes, mas experimentou um hambúrguer (apenas carne e pão) pela primeira vez e não teve nenhuma reação. Não chegou a comer todo o lanche, porque não estava no seu apetite normal (por causa de uma virose), mas deu umas 3 ou 4 mordidas. 

Além da batata frita e do hambúrguer, outras opções para alérgicos à proteína do leite de vaca são:
  • McChicken
  • Chicken McJunior
  • Chicken Classic Crispy
  • Chicken Classic Grill
  • Saladas
  • Molhos Barbecue, Agridoce e Hot Mustard
  • Torta de Maçã
  • Torta de Banana
  • Maçã em pedaços
  • Sucos Del Valle Laranja, Maracujá, Pêssego e Uva
* Verifique a tabela de alergênicos disponíveis nos restaurantes da rede. 

Saboreando o seu hambúrguer

Curtindo o seu primeiro brinquedo do McDonald´s

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Papai Noel existe!

O Natal está chegando! E para mim, não existe Natal sem Papai Noel. Ele está em todos os lugares, na decoração das casas, no comércio, na TV...

Eu sempre gostei do Natal, de enfeitar a casa, comprar presentes e fazer a ceia, e agora, vendo o encantamento da minha filha por tudo o que envolve o Natal, estou curtindo muito mais. Esse é o terceiro Natal da Malu, mas é o primeiro que ela está entendendo melhor as coisas e está participando de tudo.

Li alguns comentários contra o Papai Noel por questões religiosas, mas, na minha opinião, acreditar no Papai Noel não impede a criança de entender, quando chegar a hora certa, que a figura que importa mesmo no Natal é Jesus Cristo. O Papai Noel faz parte da infância.

Ah! E antes que você me pergunte, o que eu penso do consumismo da data? Eu sei que ele existe, mas não me deixo levar por essa visão negativa das coisas. Detesto quando alguém me fala que o Natal foi criado pelo comércio para vender mais! Para mim, o Natal é uma época de confraternização e celebração. Os presentes são uma forma de demonstrar carinho por aqueles que são importantes para nós.

A história do Papai Noel

“Noel” vem de “Noël”, que significa “Natal” em francês. Em Portugal, o Papai Noel é chamado de "Pai Natal".
De acordo com os historiadores e folcloristas, o “verdadeiro” Papai Noel foi uma pessoa de carne e osso, mais precisamente São Nicolau Taumaturgo (foto abaixo), um arcebispo turco do século 4. Ele costumava ajudar pessoas pobres da cidade de Mira, colocando moedas de ouro nas chaminés de suas casas durante a época de Natal. Mais tarde, diversos milagres foram atribuídos a São Nicolau fazendo-o por se tornar santo. Sua imagem como símbolo natalino teve origem na Alemanha, e de lá se espalhou para mundo inteiro.


Enquanto São Nicolau era originalmente retratado com trajes de bispo, atualmente Papai Noel é geralmente retratado como um homem rechonchudo, alegre e de barba branca trajando um casaco vermelho com gola e punho de manga brancos, calças vermelhas de bainha branca, e cinto e botas de couro preto. Essa imagem se tornou popular nos Estados Unidos e Canadá somente no século 19 devido à influência da Coca-Cola, que na época lançou um comercial do bom velhinho com as vestes vermelhas. E essa tem sido a imagem dele até os dias de hoje, eternizando-se.



Conforme a lenda, Papai Noel mora no Polo Norte, numa terra de neve eterna. Na versão americana, ele mora em sua casa no Polo Norte, enquanto na versão europeia frequentemente se diz que ele reside nas montanhas de Korvatunturi, na Lapônia, Finlândia. Papai Noel vive com sua esposa, Mamãe Noel, incontáveis elfos mágicos e oito ou nove renas voadoras.


A Malu assistiu a chegada do Papai Noel no Floripa Shopping alguns dias atrás, mas não chegou perto dele porque a fila estava imensa. Desde então, ela não parou mais de falar nele, quer assistir desenhos de Natal e vibra cada vez que ele aparece num comercial de TV ou num outdoor.

Ontem a levamos no Shopping Beira Mar que, na minha opinião, está com a decoração mais linda e ainda tem o Parque de Natal com brinquedos para as crianças. Vale a pena levar os pequenos lá.

Apesar de tímida, ela entregou a cartinha que fez com a ajuda do papai e aceitou tirar uma foto no colo da mamãe.




Depois se divertiu muito nos brinquedos do Parque de Natal.

No carrinho
Carrocel
Xícaras giratórias

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Ser mãe hoje em dia

Deste que eu entrei para o universo materno, tenho lido muito sobre o assunto e compartilhado as minhas experiências das mais diversas formas e numa noite dessas perdi o sono e fiquei pensando em como seria se eu tivesse sido mãe na "época" da minha mãe. Gostaria de ter conversado com ela sobre esse assunto, mas infelizmente, ela se foi antes da Malu nascer... Escrevo esse post, então, baseada na minha visão sobre a experiência dela. Espero que ela me perdoe se eu escrever alguma mentira.

Quando eu nasci, a minha mãe tinha 23 anos e isso foi em 1974. Além de mim, ela teve mais três filhos, meninos...

Nós nascemos de parto normal em ambiente hospitalar e ela sempre falava deles com muita tranquilidade porque teve a sorte de ter tido partos sem dor ou sofrimento...

A minha mãe amamentou pouco... Lembro dela contando que teve dificuldades para amamentar e, só quando o mais novo nasceu, prematuro de 7 meses, ela teve algum apoio e amamentou até os 6 meses... Mas nunca senti nenhuma culpa nela por isso. 

A minha mãe usou fraldas de pano... Fraldas descartáveis eram caras e só eram usadas para sair... Nem sei se quando eu nasci já existiam fraldas descartáveis... kkkkk

A minha mãe nunca carregou um filho num sling, fez shantala, deu banho de balde, fez cama compartilhada...

A minha mãe não conheceu as redes sociais, não fez parte de grupos de mães virtuais, não foi blogueira, mas compartilhou as suas experiências com as amigas e ensinou o que sabia à outras mães menos experientes...

A minha mãe não viveu o dilema "babá x escolinha" porque abriu mão da vida profissional para dedicar-se à família, mas eu nunca a vi se queixando disso...

A minha mãe não leu livros sobre educação, não conheceu técnicas e teorias, não tinha toda a informação que eu tenho, mas, junto com o meu pai, criou 4 filhos e estaria ajudando a criar a neta com muita sabedoria, se Deus tivesse permitido. Foi sempre uma mãe presente e dedicada. 

E eu?

Eu fui mãe aos 38 anos de idade, em 2011. Tive a Malu de parto cesária, por minha vontade (repito mais uma vez que não me arrependo da minha escolha e não me culpo por isso). Como eu já contei aqui,  o nascimento da minha filha foi o momento mais feliz da minha vida.

Amamentei por 1 ano e 2 meses, quando a Malu decidiu que não queria mais.

Não me adaptei ao sling, fiz shantala algumas vezes, dei banho de balde poucas vezes, não fiz cama compartilhada.

Faço parte de grupos de mães no facebook, participo de fóruns na internet, tenho esse blog, tudo isso porque tenho paixão por compartilhar a minha experiência e aprender com outras mães.

Voltei ao trabalho quando a minha filha tinha 8 meses, e junto com o pai dela, optei pela escola. Já me culpei por isso, hoje não me culpo mais.

Li muitos livros e revistas especializadas, joguei alguns livros no lixo, não leio mais revistas (porque não conheço nenhuma que seja realmente boa), mas ainda pesquiso muito na internet.

E o que existe de negativo nisso tudo?

Estamos sendo bombardeadas de tanta informação sobre a maternidade que não sabemos o que fazer com elas. Vivemos em busca da perfeição, não só como mães, mas como mulheres! Queremos ser boas profissionais, boas esposas, boas mães, estar em forma e andar na moda, estar por dentro de todos os assuntos. Queremos educar nossos filhos dentro das teorias mais atuais. Nos cobramos e nos culpamos quando algo não sai como o esperado. 

Somos racionais demais e esquecemos do nosso instinto. Precisamos aceitar que não somos perfeitas e viver a maternidade com mais leveza. Ando pensando muito nisso nos últimos tempos. Vou tentar me espelhar mais na minha mãe, que pode nunca ter parado para pensar nisso, até porque tinha uma rotina difícil cuidando da casa e de 4 crianças, mas que fez o seu melhor e me ensinou muitas coisas. 

Mãe, este post é uma homenagem para você. Muito obrigada por tudo. Quanta saudade!

Minha mãe e eu








quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Máquina de Cupcake

Fazia um tempinho que eu estava "namorando" uma máquina de fazer cupcake... Até que apareceu uma promoção num site e eu não resisti, me presenteei com uma e estou totalmente apaixonada! 



Ela parece uma sanduicheira, é antiaderente, muito fácil de usar e faz 7 mini-cupcakes em 8 minutos. Muito útil para uma mãe, como eu, que faz bolinhos toda semana!

Você pode fazer receitas específicas de cupcake ou qualquer receita de bolo. Eu já testei receitas de bolo de laranja, de leite de coco, de cenoura e de chocolate. A massa pode ser colocada diretamente nas cavidades (eu já usei assim e não grudou nada) ou você pode usar forminhas de papel nº 02.

Ontem eu fiz uns cupcakes caprichadinhos para a Malu levar numa festinha da escola (e também para este post!). Adaptei uma receita de cupcake de baunilha, substituindo a manteiga por margarina Becel e o leite de vaca por leite de coco. Resolvi usar a batedeira, em vez do liquidificador, só para variar um pouco.

Mini-Cupcakes de baunilha com recheio de geléia de morango e cobertura de chocolate

Ingredientes:
1 ovo
1/2 xícara de açúcar
3 colheres de sopa de margarina sem leite
1/2 colher de café de essência de baunilha
3 colheres de sopa de leite vegetal (eu usei de coco)
1 xícara de farinha de trigo
1 colher de café de fermento em pó
Geleia de morango (eu usei orgânica)
70 gr de chocolate meio-amargo sem leite
3 colheres de sopa de creme de soja

Modo de preparo:
Separar a clara e a gema. Bater a clara em neve e reservar. Em outra vasilha, colocar a gema, ir acrescentando o açúcar aos poucos e batendo com a batedeira, quando estiver um creme homogêneo, acrescentar a margarina e bater mais um pouco. Juntar a essência de baunilha e a farinha de trigo intercalando com o leite. Agregar a clara em neve e o fermento delicadamente. 
Colocar as forminhas de papel na máquina de cupcake ou numa forma, despejar a massa e assar. 
Depois de assados, deixar esfriar um pouco e fazer um buraquinho para rechear (eu usei um bico de confeitar para fazer um furinho e retirei a massa com uma faca). 
Rechear os cupcakes com a geleia.
Colocar o chocolate picado num refratário e levar ao microondas para derreter (eu coloquei 35 segundos). Mexer com uma colher e misturar o creme de soja até formar um creme homogêneo. Colocar num bico de confeitar e cobrir os cupcakes. 
Rendeu cerca de 20 mini-cupcakes. 

Obs.: A Cupcake Maker vem com um livrinho de receitas e uma seringa com bicos para confeitar, mas ambos não foram aprovados! As receitas do livrinho são incompletas (faltam as medidas, por exemplo) e a seringa não funciona bem, por isso usei um saquinho de confeitar. 


* Este post não é publieditorial.
* Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Por amor e não por culpa!

São 3 horas da manhã e você acorda com um chamado "- mamãe, mamãe!"... Pula da cama e vai cambaleando até o quarto do seu pequeno ou pequena e encontra a "pessoinha" acordada, sentada no berço e sorrindo para você...

Ai, você pensa "- Meu Deus, eu quero dormir!" e faz o quê? Pega o filhote nos braços e leva para a sua cama, onde algum tempo depois (e alguns chutes e socos também), todos voltam a dormir...

Você já viu essa cena? Pois é, acontece de vez em quando lá em casa...

Imagem da internet

Quando eu estava grávida, imaginava que iria chegar da maternidade e colocar a Malu para dormir no seu bercinho desde a primeira noite. Cheguei até a ouvir conselhos nesse sentido. Mas quem disse que eu tive coragem? Ela dormiu no carrinho, ao lado da minha cama, até os 3 meses, depois passou a dormir no berço portátil, ainda no meu quarto, e só depois dos 6, quase 7 meses, a coloquei no berço no quarto dela.

Quanto à cama compartilhada, eu não tinha muita informação e não costumava colocar a Malu para dormir na nossa cama, porque, confesso, eu tinha medo. Lembro do meu pai falando que era perigoso!

Mas depois que ela deixou de ser uma bebezinha, de vez em quando, acontece de dormir com a mamãe e o papai. Seja por uma febre ou numa noite muito fria ou, simplesmente, porque acordou no meio da noite e perdeu o sono. Eu não vejo mal nenhum nisso, não acredito que atrapalhe o seu desenvolvimento ou a torne mais dependente. Até porque não é a rotina. Na maioria das noites, ela dorme no seu bercinho a noite toda.

Lembrei agora de um texto sem pé nem cabeça publicado na página da Revista Pais & Filhos (aqui) onde a autora (que nem mãe é!) alega que esse tipo de comportamento é gerado pela culpa que as mães carregam e por força da oxitocina (Hã?).

Pois eu digo que não é a culpa que me move! Posso não ser a melhor mãe do mundo, tenho muitos defeitos e cometo erros... Mas faço o melhor que posso e aquilo que acho que a minha filha precisa. Baseada nos meus instintos, por amor e não por culpa!

Nunca deixei a minha filha chorando no berço e não é agora que deixarei de atender ao seu chamado no meio da noite. Podem falar o que quiser! Ah! O texto fala em filhos grudentos. Pelo amor de Deus! Não existem filhos grudentos ou pais grudentos ou mães grudentas! Existem crianças que precisam de amor e atenção para tornarem-se adultos seguros!

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Mais uma reação alérgica...

Uma das brincadeiras favoritas da Malu é com a comida das nossas cachorras! Ela adora colocar mais comida para elas (a gulosa da Kissa se esbalda!), dar ração com a colher para a Nina (sim, a Nina come ração na colher!) e, no último sábado, inventou de fazer "sopa de ração" tirando a ração da vasilha com uma colher e colocando na água. 



Deixamos ela brincar assim por uns 15 minutos, sabendo que ela iria se molhar toda e logo iria ter que tomar banho. 

Mas que surpresa tivemos quando tiramos a sua roupa e descobrimos que ela estava cheia de urticária nas pernas, barriga, mãos, braços... Distraída com a brincadeira, ela nem percebeu a coceira... 

Demos um banho, uma dose de antialérgico e ficamos observando. Eu pensei que íamos ter que levá-la para o Pronto Socorro porque ela reclamava muito de coceira nas mãos. Mas uma meia hora depois as manchas diminuíram e ela parou de se queixar. Jantou e dormiu normalmente. 

Imaginei que a ração pudesse ter leite na composição, o que teria causado a reação alérgica, mas verifiquei a embalagem e não tem. 

Estou entrando em pânico, nunca vi uma criança tão cheia de alergia! 

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Consulta com a gastro

Ontem a Malu teve consulta com a gastroenterologista/pediatra que faz o acompanhamento da alergia dela. 

No exame clínico tudo super bem! O peso e a altura estão dentro da faixa normal para a idade (o que nem sempre acontece com crianças alérgicas). A Dra. Jaqueline pôde ver o quanto ela é ativa e elogiou muito seu o desenvolvimento. Também comentou que o fato dela ter tido poucos problemas respiratórios nesse último inverno é muito bom. 

Eu também ganhei alguns elogios por ser uma mãe bastante informada sobre a alergia. A Dra. nem imagina o quanto eu pesquiso e converso com outras mamães sobre esse assunto! kkkkk

Mas, ao contrário do que eu imaginava, ela não pediu os exames de alergia agora... Vamos esperar até maio do ano que vem, quando a Malu irá completar 3 anos, para refazer os exames e, talvez, tentar o enfrentamento. Ela até já nos deu as guias dos exames para fazer em abril/2014. 

Segundo a médica, quando a criança não se cura com 1 ano e nem com 2 anos, melhor esperar até os 3, pois o organismo está mais maduro e tem mais chances de tolerar o leite. 

Saí da clínica um pouco decepcionada, mas já me conformei. Para quem chegou até aqui, não custa esperar mais um pouco. O importante é ela estar bem!


Receitinhas do feriadão


Nesse último feriadão, eu estava inspirada para cozinhar e testei várias receitinhas sem leite de vaca que não poderia deixar de compartilhar aqui. 

Na maioria das receitas, usei o leite de soja Mais Vita da Yoki para uso culinário. Eu não costumo usar leite de soja, mas tinha uma caixa deste na dispensa, resolvi testar e gostei bastante do resultado. Ele não é adoçado e não alterou o gosto das preparações. 


Suflê de Legumes

Usei essa receita de Suflê de Espinafre do Blog O Diário de Receitas sem lactose e fiz algumas alterações para utilizar os legumes que tinha em casa. 

Ingredientes
2 colheres de sopa de azeite
1/2 cebola picadinha
1 colher de café de alho amassado
Legumes da sua preferência picados (eu usei batata, cenoura e ervilhas frescas)
1 caixa de creme de soja

2 gemas
1 colher de sopa de amido de milho
2 claras em neve
Sal e demais temperos à gosto (usei só salsinha)

Modo de preparo:
Refogar a cebola e o alho no azeite, juntar os legumes picados, sal e um pouco de água. Não precisa cozinhar demais os legumes, deixá-los "al dente".
Bater o creme de soja, as gemas e amido de milho no liquidificador. Em separado, bater as claras em neve e depois juntar os legumes escorridos e a mistura do liquidificador delicadamente. Acertar o sal e juntar os temperos desejados. 
Colocar em um refratário grande ou em ramequins individuais untados com um pouco de óleo. Levar ao forno médio pré-aquecido até dourar.

Cadê a foto, produção?  

Macarrão ao Molho Verde

Como a Malu não anda querendo comer legumes, inventei uma receita de macarrão com molho verde que ficou muito boa!

Ingredientes:
1/2 cebola 
1 colher de café de alho amassado
Azeite
Espinafre
2 copos de leite vegetal
1 colher de sopa de amido de milho
Sal

Modo de preparo:
Refogar a cebola e o alho no azeite, juntar o espinafre picadinho e refogar mais um pouco. Depois bater no liquidificador o espinafre, o leite de soja e o amido de milho. Voltar para a panela, acertar o sal e deixar engrossar no fogo baixo. Servir com o macarrão de sua preferência. Juntei no molho um peito de frango picado que eu já tinha cozido, mas não é necessário.


A Malu adorou e comeu quase tudo! Mamãe fica tão feliz!



Panquecas cor-de-rosa

Para o almoço de domingo, fiz panquecas com beterraba.

Ingredientes:
1 ovo
1 e 1/2 xícara de farinha de trigo
2 colheres de óleo
1 xícara de leite vegetal
1 colher de café de sal
1 beterraba pequena sem casca cortada em pedaços

Modo de preparo:
Bater todos os ingredientes no liquidificador, se necessário acrescentar mais leite ou mais farinha de trigo até atingir a consistência de um mingau grosso. 
Fazer as panquecas em frigideira anti-aderente untada com óleo e rechear a gosto (eu usei carne moída refogada com cenoura ralada).

Obs.: Você pode fazer panquecas de outras cores: verde com espinafre ou brócolis, amarela com cenoura, etc. 


Ficou uma delícia, mas dessa vez a Dona Malu não quis nem provar a massa... Comeu só o recheio com arroz e lentilha. 


Bolo de Banana Integral 

No domingo, bateu uma vontade de comer um bolinho com café, então fiz esse aqui.



Ingredientes para uma forma pequena:

3 bananas
1 ovo
1/4 de xícara de óleo (eu usei canola)
1/2 xícara de açúcar (eu usei demerara)
1/2 xícara de leite vegetal
2 colheres de aveia
Uvas-passas, ameixas pretas picadas, damascos picados e castanhas do pará (ou nozes) picadas a gosto (não usei as castanhas porque não tinha em casa). 
3/4 de xícara de farinha de trigo branca
3/4 de xícara de farinha de trigo integral
1 colher de café bem cheia de fermento em pó. 



Modo de preparo:

Bater as bananas, o ovo, o óleo, o açúcar, a aveia e o leite no liquidificador. Despejar a mistura numa tigela e ir acrescentando os demais ingredientes até formar uma massa homogênea. Por último acrescentar o fermento, mexer delicadamente e despejar numa forma untada. Levar para assar em forno médio, por 30 minutos ou até que esteja assado (faça o teste do palito).

Obs.: O meu bolinho ficou meio palito porque esqueci de ligar o dourador do forno elétrico, mas ficou muito gostoso. 



* Este post não é publieditorial.
* Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

2 anos e meio: muitas alegrias e algum trabalho!

No último dia 09 de novembro a Malu completou 2 anos e 6 meses! Meu Deus, como passou rápido! Eu até queria ter feito um post sobre o assunto, mas acabou passando e hoje vim falar um pouco de como está o desenvolvimento da minha mocinha. 

Inteligência pura

Pode parecer "corujice" de mãe (e é! kkkk), mas a Malu é muito esperta. Vive nos surpreendendo com os seus comentários e ações. Está sempre ligada em tudo o que acontece ao redor e, quando a gente menos espera, está lá imitando! Um perigo! 


Fala pelos cotovelos

Não é novidade nenhuma, né? Já comentei mil vezes que a Malu é muito tagarela. Mas agora a conversa é diferente, ela consegue dialogar com a gente, conta o que acontece na escola (inventa umas histórias também), fala o que está sentindo e já está fazendo perguntas. 
É muito bom ser mãe de uma mocinha que consegue se fazer entender! Nada de ter que adivinhar o que o choro quer dizer! Ufa! 


Eita, teimosia

Mas nem tudo são flores nessa vida de mãe de uma mocinha de 2 anos e meio... Ainda acontecem muitas crises de birra (será o terrible two ainda?). 
E restaurante é o lugar preferido da Malu para as crises de birra! Não adianta nada conversar antes, combinar que ela vai se comportar, levar tablet e brinquedos. O bom comportamento dura meia-hora e depois ela quer descer da cadeira e correr pelo salão! Eu e o papai andamos até pensando em dar um tempo e só sair para comer fora depois que ela completar 5 anos! kkkk
Dividir os brinquedos e a atenção também é um desafio para ela. Perto de outra criança, ela fica um pouco agressiva, não aceita que os amiguinhos peguem os seus brinquedos e toma de volta na força. Eu e o papai tentamos conversar, negociar, incentivar que ela entregue um brinquedo seu, em troca de um do amiguinho... Eu sei que a criança tem o direito de não querer dividir o que é seu, mas também não pode sair por ai agredindo todo mundo, né? E a vergonha que passamos diante dos amigos? 

Na praia ela fica assim, super comportada...
Desde que ninguém queria mexer no seu baldinho!

Carinhosa

A recompensa por todo o trabalho e os momentos de estresse vem em forma de carinho! 
A Malu é muito carinhosa, adora assistir TV abraçada na gente ou no colo, pede muito "coinho" para a mamãe, faz carinho no braço, pede a mão no carro. Dá muitos abraços e beijos de boa noite e adora ficar abraçadinha  na cama da mamãe logo que acorda... Um amor!


Pérolas da Malu

Para ilustrar tudo o que eu falei, aqui vão algumas pérolas da pequena:
  • Num sábado desses, ela pediu maça no café de manhã. Eu lavei e cortei em pedaços grandes, sem tirar a casca, porque ela gosta assim. Ela mordeu o primeiro pedaço e mostrou para mim, dizendo " - olha, mamãe, sangue! (Para quem não lembra tem um comercial de creme dental assim). 
  • Na última vez que tentamos comer fora, fomos numa pizzaria e ela se comportou muito mal, fazendo o papai correr atrás dela pelo salão inteiro. Comemos do jeito que deu e voltamos para casa. No caminho, o papai vinha falando que precisávamos mudar a forma de educá-la, que talvez fosse necessário algum tipo de castigo e blá blá blá... Quando chegamos em casa, eu fui tirá-la do carro e ela falou para mim: - "eu não queo ficar de castigo..." Aproveitei para conversar sobre o seu mal comportamento... Quem sabe da próxima vez melhora. 
    No pouco tempo que se comportou,
    brincando com um pouco de massa de pizza. 
  • Depois do banho da noite, enquanto eu a visto, é hora dela contar o que acontece na escola. Todo dia acontece alguma coisa, ela conta de tombos, palhaços no refeitório e passeios na floresta! Esses dias ela falou para mim:  " - eu sou a Maria (nome de uma das professoras) e brigo com as crianças que não se comportam." Eu perguntei "- ah é, filha e o que você faz?" E ela me responde "- eu coloco de castigo na salinha". Será verdade?
É ou não é uma figurinha?





quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Cuidados com o uso de Repelente Infantil

Mais uma vez venho falar de alergia, mas, dessa vez, não tem nada a ver com leite!

Ontem no final do dia, a Malu estava brincando na garagem e, como é nesse horário que os mosquitos consumam aparecer, resolvi passar um pouco de repelente nela. 

Eu sempre usava a Loção Antimosquito da Johnson´s e nunca tive nenhum problema, mas pensando que era um produto indicado apenas para bebês e a Malu já é uma mocinha, comprei o Repelente Infantil da Huggies Turma da Mônica. 

Já usei outros produtos da mesma marca, como fraldas, lenços umedecidos e xampu e nunca tivemos nenhum problema, mas com o repelente foi diferente. Logo depois de passar, a Malu começou a se coçar e notei manchinhas vermelhas espalhadas pelo corpo... ou seja, ela teve uma reação alérgica!

Dei uma dose de antialérgico e depois do banho ela já estava bem melhor, ficou apenas com alguns arranhões na pele por ter coçado. 

Fiquei muito surpresa, pois, segundo o fabricante, o produto é hipoalergênico, indicado para bebês de 6 meses a 2 anos. Mas como a Malu tem dermatite atópica e tendência a ter alergias, algum componente da fórmula pode ter causado essa reação. Tentei descobrir se tem alguma coisa com leite na composição, mas não consegui identificar, pois as informações estão em inglês na embalagem (alguém pode me explicar porquê?).

Fiz uma rápida pesquisa da internet e encontrei vários relatos de reações alérgicas em crianças após o uso de repelentes, tanto da Huggies quanto da Johnson´s. Então a minha dica para as mamães é que, sempre que forem utilizar um produto novo, passem numa pequena área da pele e fiquem atentas a possíveis reações alérgicas. Se houver algum problema, dê um banho na criança e, se não melhorar rápido, leve ao médico mais próximo. 

Aqui vamos voltar para a loção da Johnson´s, pois o verão vem chegando e, junto com ele, os mosquitos!


Ah! Descobri que ele não é indicado somente para bebês!

A nova JOHNSON'S® baby Loção Antimosquito é o primeiro repelente do mercado seguro e eficaz para bebês com 6 meses ou mais. Isso porque é o único com formulação atóxica. Além disso, sua fórmula sem álcool não resseca a delicada pele do bebê, é clinicamente testada e repele mosquitos, pernilongos, borrachudos e outros insetos por 4 horas. Possui fragrância agradável e é tão eficaz para adultos como para bebês com mais de seis meses de idade.
Indicação
Bebês, crianças, adolescentes e adultos.

Alerta: 
Ontem eu soube do caso de um menino de 2 anos que faleceu em Fortaleça, após ter sido intoxicado com inseticida em spray utilizado no quarto dele. Então, mamães e papais, não deixem de ler essa matéria aqui sobre o uso de inseticidas e repelentes. 


segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Nova reação alérgica... Será?

No último sábado fomos num churrasco na casa de alguns amigos. Como saímos depois do meio-dia, dei o almoço para a Malu em casa e lá ela beliscou uns pedaços de carne e pão francês. Mais tarde, dei um iogurte de soja que tinha levado de casa. Nada fora do normal...

Até que, no meio da tarde, noto algumas manchinhas vermelhas no rosto dela... Procurei por manchas em outras partes do corpo, mas não encontrei nada e logo depois sumiu tudo. 

Fiquei tão preocupada que perdi o sono na noite seguinte pensando no que poderia ter causado aquela reação... Será que foi a colher de plástico (da casa) que eu usei para dar o iogurte ou a tolha de rosto que estava no banheiro? Será, será? Sinceramente, não sei... 

O papai acha que as manchinhas não foram causadas pela alergia... Mas foram causadas pelo quê então?

Esse tipo de acontecimento me deixa tão triste... Sei que existem muitos crianças com alergias graves por ai, mas mesmo assim, fico sem chão!

Dia 20 de novembro teremos consulta com a gastro. Certamente, ela vai pedir novos exames da alergia. Vamos ver no que vai dar... Torçam por nós, por favor!

Para descontrair um pouco... Uma foto da minha princesa se divertindo no parquinho:


quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Pequenas alegrias

Que criança (e adulto também) não adora raspar o restinho de brigadeiro ou cobertura de bolo na panela? A Malu adora! E, mesmo com a sua restrição ao leite, ela pode! 

É para ver essa carinha toda lambuzada e a felicidade nos seus olhinhos que eu passo horas e horas pesquisando receitas na internet, adaptando, testando, fazendo todos os amigos de cobaia! kkkkk 






Para muitas mães pode parecer a coisa mais banal do mundo, mas para mim proporcionar essas pequenas alegrias para a minha filha tem um sabor todo especial. Faz valer a pena todo o esforço e preocupação! 

Te amo, filha!

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

A chegada do Papai Noel

No domingo teve chegada do Papai Noel no Floripa Shopping e nós aproveitamos para levar a Malu. 

Antes de sair de casa, o papai conversou com ela e a animação era total, mas chegando no shopping bateu uma ansiedade na pequena e ela só queria saber de colo! Mas curtiu bastante a apresentação do coral, viu o Papai Noel de longe (porque a fila para tirar fotos era imeeeeensaaaa) e brincou com os amiguinhos que também estavam lá.

Só no colinho

O bom velhinho e o coral

Carinha de medo mesmo de longe e no colo do papai

Um pouco da decoração

Depois fomos fazer um lanche na praça de alimentação, o que sempre me deixa tensa pela dificuldade em encontrar opções de lanche sem queijo. Mas na ÁRABI´S Esfirraria fui muito bem atendida por um rapaz que acredito ser o dono. Ele me informou que a massa não era feita com leite e derivados, falou que poderia montar as esfirras com o recheio que eu escolhesse (sem queijo e sem catupiry) e que o kibe também não tinha nada de leite ou derivados. Pedimos esfirras de frango e uma porção de kibes que a Malu adorou!



Ah! Eu estava esquecendo de comentar. A Malu ficou o tempo todo sem fralda no shopping. Acho que eu devo ter ido ao banheiro com ela umas 10 vezes! kkkkk Algumas a pedido dela e outras por precaução. Mas deu tudo certo! Não aconteceu nenhum acidente e ela pediu até para fazer o o nº 2! Minha pequena já é uma mocinha! 

O livro de receitas da escola

Neste final de semana nós tivemos que cumprir uma tarefa da escola com a Malu. A atividade faz parte de um projeto de alimentação saudável e consistia em fazer uma receita junto com ela, registrar através de fotos e colocar no livro de receitas da turminha. O alimento preparado deveria ser enviado para a escola dentro de uma cesta que recebemos. 

Escolhi a receita de bolinhos de banana com cacau e aveia por ser saudável, fácil de fazer e muito gostosa. Para a Malu são "bolinhos de chocolate"!


Aqui está a receita que fizemos:

Ingredientes:
2 bananas grandes
3 ovos
1 xícara de açúcar (usei demerara)
3/4 de xícara de óleo (usei de canola)
2 colheres de sopa de cacau em pó
2 colheres de sopa de farinha de aveia 
1 xícara de água morna
2 xícara de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó

Modo de preparo:
Descasque as bananas e corte em pedaços (a Malu descascou e a mamãe cortou).


 Coloque no liquidificador, junte os ovos, o açúcar, o óleo, o cacau, a aveia e a água. 


Bata bem.

Despeje a mistura sobre a farinha de trigo e mexa até formar uma massa homogênea. 
Junte o fermento e misture delicadamente. 


Unte forminhas de cupcake, coloque cerca de 2 colheres de sopa de massa em cada forminha. O papai ajudou nessa tarefa.



Leve para assar no forno pré-aquecido a 200ºC por cerca de 15 minutos (faça o teste do palito para ver se estão assados).

Essa receita rendeu 32 bolinhos, macios e gostosos!



Foi muito gostoso desenvolver essa atividade com a Malu, ela ficou toda animada e se comportou direitinho, seguindo todas as orientações que eu passava para ela. Sei que daqui para frente terei uma ajudante todas as vezes que for preparar um bolo! kkkkk  Também foi muito legal envolver o papai no preparo da receita.

Mas teve um fato que me entristeceu muito... Ao ler o livro de receitas, vi que ele já tinha passado por cinco outras famílias e todas elas elaboraram pratos com leite e derivados, o que não permitiu que a Malu provasse as delícias feitas pelos coleguinhas e eu não sabia da existência do projeto.

Deixei registrada no livro a minha opinião, elogiei a iniciativa do projeto, mas sugeri que eles pensem na inclusão da criança alérgica. Essa também é uma tarefa das escolas!

* Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.

Receita - Pudim de Leite de Coco

O nosso final de semana foi cheio de coisas gostosas...

Sábado recebemos os compadres Adriana e Flávio, nossa afilhada Luísa e a querida amiga Scheila para jantar com a gente. Fiz uma moqueca de peixe no forno (a receita já postei aqui) e acho que ficou boa, pois todos comeram e elogiaram bastante. 

Para a sobremesa fiz esse Pudim de Leite de Coco:



Vendo a foto assim, você diria que esse pudim não tem leite condensado e nem leite de vaca? Pois é, não tem nada de proteína do leite nele! E ficou delicioso! O melhor doce que eu já fiz sem leite condensado!

Encontrei a receita no blog O Diário de Receitas sem Lactose aqui, mas como sou metida, não segui a receita na íntegra e fiz algumas pequenas alterações:

Pudim de Leite de Coco
400 ml de leite de coco 
4 ovos (na receita original eram 6 ovos e achei que era muito, além de que a minha forma é muito pequena)
1 1/2 xícara de açúcar (na receita original eram 2, mas como diminui a quantidade de ovos, diminui a de açúcar também)
1 pitada de sal (esqueci de colocar! hehehe)

Para a calda:
1 xícara de açúcar
1/2 xícara de água


Modo de preparo:

Primeiro faça a calda. Eu segui esse passo a passo aqui e deu super certo (depois de queimar 2 vezes! kkkkk).
Peneire os ovos (segundo a receita, passo importante para não deixar o pudim com gosto de ovo). Coloque os ingredientes no liquidificador e bata bem. Despeje na forma caramelizada e leve para assar em banho maria (forno médio, 180 graus, pré-aquecido) por 1 hora.

Deixe esfriar bem para desinformar (se possível, deixe de um dia para o outro na geladeira). Para desinformar aqueça a forma no fogão por alguns segundos.

Atualização de 11/11/2013: Não use açúcar demerara nessa receita! Eu tentei fazer a calda com esse tipo de açúcar e quando coloquei na forma, ela açucarou toda! Tive que fazer novamente. Já o pudim com açúcar demerara, ficou muito doce e se desmanchando. Não ficou ruim, mas com o açúcar refinado fica melhor!

* Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Primeiro baile de Halloween

Hoje a Malu teve o seu primeiro Baile de Halloween na escola! Ela não tem nenhuma noção do que significa essa data, mas já assistiu desenhos em que os personagens se fantasiam e saiu de casa toda feliz com a sua fantasia de bruxinha. 

Mas afinal o que é o Halloween?

O Halloween, também chamado de Dia das Bruxas, é um evento tradicional e cultural, que ocorre nos países anglo-saxônicos, com especial relevância nos Estados Unidos, Canadá, Irlanda e Reino Unido, tendo como base e origem as celebrações dos antigos povos, sendo que não existe ao certo referências precisas de onde surgiram essas celebrações.

A palavra Halloween tem origem na Igreja católica. Vem de uma tradição contraída do dia 1 de novembro, o Dia de Todos os Santos, é um dia católico de observância em honra de santos. 

Estudiosos dizem que a palavra Halloween surgiu da seguinte forma:
O nome é, na realidade, uma versão encurtada de "All Hallows' Even"(Noite de Todos os Santos), a véspera do Dia de Todos os Santos (All Hallows' Day). 
"Hallow" é uma palavra do inglês antigo para "pessoa santa" e o dia de todas as "pessoas santas" é apenas um outro nome para Dia de Todos os Santos, o dia em que os católicos homenageiam todos os santos. Com o tempo, as pessoas passaram a se referir à Noite de Todos os Santos, "All Hallows' Even", como "Hallowe'en", e mais tarde simplesmente "Halloween".

Uma das lendas de origem celta fala que os espíritos de todos que morreram ao longo daquele ano voltariam à procura de corpos vivos para possuir e usar pelo próximo ano. Os celtas acreditavam ser a única chance de vida após a morte. Como os vivos não queriam ser possuídos, na noite do dia 31 de outubro, apagavam as tochas e fogueiras de suas casa, para que elas se tornassem frias e desagradáveis, colocavam fantasias e ruidosamente desfilavam em torno do bairro, sendo tão destrutivos quanto possível, a fim de assustar os que procuravam corpos para possuir.

Os Romanos adotaram as práticas célticas, mas no primeiro século depois de Cristo, eles as abandonaram.

O Halloween foi levado para os Estados Unidos em 1840, por imigrantes irlandeses que fugiam da fome pela qual seu país passava e passou ser conhecido como o "Dia das Bruxas".


Doces ou travessuras?

A brincadeira de "doces ou travessuras" é originária de um costume europeu do século IX, chamado de "souling" (almejar). No dia 2 de novembro, Dia de Todas as Almas (ou Finados aqui no Brasil), os cristãos iam de vila em vila pedindo "soul cakes" (bolos de alma), que eram feitos de pequenos quadrados de pão com groselha. Para cada bolo que ganhasse, a pessoa deveria fazer uma oração por um parente morto do doador. Acreditava-se que as almas permaneciam no limbo por um certo tempo após sua morte e que as orações ajudavam-na a ir para o céu.


Para os pequenos, o Halloween é apenas uma brincadeira, pura diversão. Olhem só a carinha de felicidade da minha bruxinha:



terça-feira, 29 de outubro de 2013

Não quero cenoura, mamãe!

Eu sempre me orgulhei tanto da Malu ser "boa de garfo"... Desde as primeiras papinhas, que eu fazia com arroz ou macarrão, carne ou frango, feijão ou outro grão, 3 tipos de legumes e amassava com um garfo, não ficava nada no prato!

Mas, nos últimos tempos, ela anda chatinha para comer... Não quer isso, não quer aquilo... Tem dias que só quer comer arroz, no outro só os grãos do feijão! Agora deu para falar "- não quero cenoura, tá, mamãe?", antes mesmo de ver o que estou colocando no prato! 

Ela que, sempre comeu legumes, agora fica separando no prato ou então coloca na boca e cospe! Aff...

Esse final de semana, como ela estava meio resfriadinha, eu queria que ela se alimentasse bem e inventei a minha versão do molho "turbinado" inspirada nessa receita do blog As Delícias do Dudu. 

Mas fiz um pouco diferente da receita original: refoguei cebola e alho no azeite, juntei tomate sem pele picadinho e mandioquinha, cenoura e brócolis. Deixei cozinhar os legumes e depois de pronto, bati tudo no liquidificador. Servi com macarrão e hambúrguer caseiro com cenoura. Salpiquei salsinha picada por cima. Ela comeu todo o macarrão, mas não quis o hambúrguer.  


Jantar de sábado da Malu

Eu sei que bater os alimentos no liquidificador não deve ser rotina porque a criança precisa saber o que está comendo, mas acho que esse truque pode ser usado para casos emergenciais, para quando a criança está doentinha ou quando a mamãe não está muito a fim de se estressar! 

Outro truque que eu costumo utilizar com frequência é acrescentar legumes nas preparações. Faço sempre arroz com cenoura ou couve, carne moída ou frango com batata, cenoura e vagem (ou outros legumes), hambúrguer ou bolinho de carne com cenoura ralada, bolinhos de arroz, etc. 

Espero que essa seja uma fase passageira e que a Malu volte a comer os legumes como antes. Vou tentar variar mais as preparações para ver se ela anima. Achei algumas dicas interessantes nessa matéria aqui do site Pediatria em Foco.  

E você que truques utiliza para os seus pequenos se alimentarem bem?

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Receita - Bolinho de Beterraba com Cacau

Bolo de beterraba está na moda! Isso mesmo! Se você fizer uma pesquisa no google, vai ver que eu tenho razão! Confesso que, quando vi pela primeira vez, achei um pouco estranho e duvidei que pudesse ser gostoso... Mas pensei que seria uma maneira interessante de fazer a Malu comer beterraba, já que ela, assim como o papai, não gosta nem um pouco. 
Para garantir o sucesso da receita com a pequena, resolvi acrescentar o cacau em pó, pois a Dona Malu puxou ao pai nisso também e só quer saber de bolo de chocolate. 
Fiz da mesma maneira que faço quase todos os meus bolinhos, ou seja, no liquidificador. 

Os ingredientes para 12 bolinhos são:
1 ovo
1/4 xícara de óleo (eu usei de canola)
1/2 xícara de açúcar (eu usei demerara)
1 beterraba bem pequena crua, sem casca e picada
1/2 xícara de água morna (pode ser feito sem a água, mas fica uma massa mais firme)
2 colheres de sopa de cacau em pó
1 xícara de farinha de trigo
1 colher de café cheia de fermento em pó
* Para fazer um bolo grande, utilize 3 ovos e o dobre a quantidade dos demais ingredientes. 

Modo de preparo:

Bater todos os ingredientes no liquidificador, exceto a farinha de trigo e o fermento, que devem ser misturados, posteriormente. Colocar para assar em formas de cupcake, untadas com óleo ou em forminhas de papel, à 200 graus por 20/30 minutos ou até que espetando uma faca esta saia limpa. 

Se desejar, faça uma cobertura de chocolate. Eu fiz a mais simples de todas, mas você pode fazer um brigadeiro mole (tem receita de brigadeiro de leite de coco na página Receitas Doces) ou ganache de chocolate (derreter uma barra de chocolate meio amargo, sem leite e acrescentar uma caixinha de creme de soja ou de arroz. 

Cobertura simples:

Numa panela, colocar 3 colheres de sopa de açúcar, 2 colheres de sopa de chocolate em pó ou 1 de cacau em pó, 1 colher de sopa de margarina Becel e 6 colheres de sopa de água. Mexer bem e levar ao fogo baixo até engrossar. Despejar em seguida sobre os bolinhos. 

Nem parece que tem beterraba, né?

Os bolinhos ficaram muito macios e eu não senti o gosto da beterraba. Não cheguei a dar para a Malu experimentar em casa porque mandei para a escola. Mas acredito que ela tenha gostado.

* Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Criança vestida de criança

Imagem da internet
Sei que o meu post não vai agradar algumas amigas-mães, mas preciso falar: não gosto de criança vestida de mini-adulto

Acho até bonitinho uma criança vestida com uma roupa mais estilosa, com alguns acessórios, mas acho que tem muita mãe (e pai) que anda exagerando, "adultizando" os filhos e esquecendo que isso tem consequências no comportamento da criança. 

Menininhas vestidas como adultas, de salto alto, com as unhas pintadas e maquiadas, começam a se preocupar com a aparência cedo demais e acabam esquecendo de serem crianças. E a infância é uma fase tão gostosa, para quê antecipar as coisas?

As crianças já gostam de imitar os adultos, por natureza, mas para elas é uma brincadeira, um faz-de-conta. A Malu, por exemplo, adora andar com os meus sapatos pela casa, quer usar os meus batons e passear de bolsa. Até ai tudo bem! Até comprei um brilho labial incolor para evitar que ela acabasse com todos os meus batons e ainda tivesse uma alergia (só para lembrar os cosméticos de adultos podem causar dermatites e alergias nas crianças), mas não vai passar disso. 

Gosto de vestir a minha filha como criança e não faço questão de roupas de grife. Prefiro as roupas simples, com estampas alegres e confortáveis para que ela possa brincar à vontade. Para as ocasiões especiais, vestidinhos ou conjuntinhos,  mas nada que a faça parecer uma mini-adulta. 

Quero que ela curta muito a sua infância, que brinque de boneca, de bola (porque não?), que corra, que ande de bicicleta, que se suje de terra. Ela vai crescer e daí vou ter companhia para ir ao salão de beleza ou às compras. Tudo à seu tempo!  

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Início do desfralde, receitinha e praia

Hoje está completando uma semana que iniciamos o processo de desfralde da Malu. 

Confesso que eu adiei o quanto pude, por receio de que a pequena não estivesse totalmente preparada e também dos "transtornos" que são normais dessa fase. Mas depois de conversar com a professora da escolinha, fiquei convencida de que era o momento certo. 

Eu já tinha comprado algumas calcinhas para a Malu, mas achei que eram poucas e sai comprando todas as que achei! kkkkk Acho que até exagerei, ela deve ter mais de 20 calcinhas, de todas as cores, tão fofas! Mas percebi que as calcinhas mais altas (aquelas tipo calcinha da vovô) vestem melhor. 

Por enquanto, ela está indo e voltando da escola de fraldas (para evitar algum acidente na cadeirinha do carro), mas passa o dia inteiro na escola sem fralda. No final de semana também ficou sem fralda em casa. Já tem bastante controle do xixi, mas ainda falta do cocô. Ainda assim, acredito que está tudo saindo muito bem e logo ela estará desfraldada (pelo menos da fralda diurna, daí partiremos para a noturna.)


Receitinha de sábado: Pão de queijo sem queijo

Sábado à tarde, mexendo na minha papelada pasta de receitas, descobri uma apostila com várias receitas sem leite de vaca. Eu nem lembrava mais dela, mas tem receitas ótimas, acho que a consegui no grupo Meu filho é alérgico a leite do facebook, mas naquela época a Malu era muito novinha. Resolvi, então, testar uma receita de "pão de queijo sem queijo" de liquidificador. 

Ingredientes:
1 ovo
1 xícara de água morna
1/2 xícara de óleo de canola (a receita original mandava colocar 3/4, mas achei muito)
1 colher de sopa de sal
2 xícaras de polvilho azedo

Modo de preparo:
Bater o ovo, a água, o sal e o óleo no liquidificador. Ir acrescentando o polvilho aos poucos, sem parar de mexer até formar uma massa homogênea. Despejar em forminhas de empada untadas com óleo e assar no forno bem aquecido à 200 graus. Não encha as forminhas mais do que a metade porque cresce muito. Também não passe de 200 graus para que os pãezinhos não murchem quando tirar do forno. 

Gente, todas as vezes que eu tentei fazer alguma receita com polvilho não deu certo. Eu sempre joguei tudo no lixo! Mas dessa vez foi diferente! Aleluia! Os pãezinhos ficaram muito gostosos, salgadinhos na medida certa e com uma textura que você jura que tem queijo quando está quentinho. Depois de frio, já não ficam tão gostosos. Só que aqui, eu, o papai e a Malu comemos tudo assim que tirei do forno, não deu tempo de esfriar! kkkkk

Assei os primeiros numa fornada em formas de cupcake, mas não gostei porque os pães ficaram muito grandes e com um buraco no meio (não me perguntem porquê), então resolvi assar o restante em formas de empadas. A receita rendeu ao todo 12 pães grandes e 24 pequenos. 

Olhem só como cresce!

Podia ter ficado um pouquinho só mais no forno!

A Malu adorou! Comeu uns 5 pãezinhos no lanche da tarde
* Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.

Passeio na praia

Depois de um longo inverno, finalmente, está começando a esquentar um pouco e domingo fomos passear na praia. Escolhemos a Praia de Ponta das Canas, com o seu mar tranquilo, ideal para crianças.

Imagem da internet, porque não fotografei a praia

Só que a Dona Malu não estava a fim de água, preferiu ficar o tempo todo brincando na areia. Tão mocinha!



Estava tudo muito tranquilo, até a Malu sentir vontade de fazer xixi! Mesmo estando só de maiô, sem fralda, ela não gostou da ideia de fazer xixi na areia ou na água. Ficou segurando o quanto pôde e quando vi que ela não ia fazer, a peguei no colo para levar no banheiro de algum restaurante. Mas foi tarde... A Mamãe tomou um banho de xixi! kkkkk

Agora estou pensando: será que vou ter que carregar o troninho nos passeios fora de casa? As mamães que já desfraldaram os pequenos, como agiam em ocasiões como essa?

Aqui mais algumas fotos no almoço depois da praia:

Sapeca da mamãe

Amor da minha vida!