quarta-feira, 30 de julho de 2014

Receita - Massa básica para salgados

Essa massa é um achado, porque é fácil de fazer, não precisa deixar crescer e com ela você pode fazer diversos tipos de salgados assados (esfirras, mini-pizzas, enroladinhos, etc.).
 
Um agradecimento especial a mamãe Regiane Carvalho de Sousa!
 
A receita original usa uma quantidade maior de ingredientes, mas como não queria tantas esfirras assim, fiz meia receita com essas quantidades:
 
1 e 1/4 xícaras de água morna 
1/4 de xícara de óleo (usei de canola)
1 colher de sopa de açúcar
1/4 de colher de sopa de sal
 1 pacotinho de fermento seco (para pão)
750 gr de farinha de trigo
1 gema de ovo para pincelar (opcional)

Misture a farinha de trigo, o sal, o açúcar, o fermento seco e o óleo. Vá juntando a água aos poucos e mexendo com a mão. Se for necessário acrescente mais água ou mais farinha até conseguir dar ponto de sovar.
Quando a massa estiver lisa, modele o salgado desejado e recheie. Não precisa deixar descansar.
Se não tiver restrição a ovo, pincele uma gema. Coloque numa forma untada e leve para assar em forno pré-aquecido à 200 graus por uns 20 minutos ou até dourar.
 
Eu fiz esfirras de carne. No dia anterior tinha feito o recheio, refogando carne moída com cebola, alho, tomate e salsinha (não sei porque não gosto de usar carne crua nos recheios de esfirra).
Abri a massa com um rolo, cortei com um copo e fechei em forma de esfirras.
 
 


* Use sempre produtos de marcas que você conhece e tem informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvida, entre em contato com o SAC da empresa.
 
 

terça-feira, 29 de julho de 2014

O medo que "quase" me paralisa

Antes de falar o motivo de tanto medo, vou recaptular o histórico da Malu com relação a APLV para quem não acompanha o blog deste o início.
 
A Malu começou a apresentar sintomas de refluxo aos 10 dias de vida, regurgitava muito, chorava durante as mamadas, jogava a cabeça para trás. O pediatra diagnosticou como refluxo fisiológico e ela começou a tomar medicação aos 20 dias, primeiro Motilium, depois Losec Mups que tomou até os 8 meses.
 
Com 3 meses apareceram algumas lesões de pele (áreas ressecadas, feridas nas dobrinhas, casquinhas atrás das orelhas), o pediatra dizia que tudo era normal, mas levei numa dermatologista que diagnosticou como dermatite atópica e indicou o tratamento a base de xampu, sabonete, creme hidratante e pomadas. Com o tratamento a pele ficou ótima.
 
Quando ela estava com 5 meses, tentei introduzir o leite artificial, com consentimento do pediatra, pois estava preocupada com a minha volta ao trabalho, mas ela não aceitava. Comprei vários tipos de bicos, de mamadeiras, de leite, insisti até que ela teve a primeira reação alérgica (urticária) após ingerir 70 ml de Nestogeno. Levei no pediatra no mesmo dia, mas as manchas já tinham sumido e ele descartou a APLV, pois ela não tinha outros sintomas e ganhava peso normalmente (bem demais até).

Suspendi a introdução do LA e segui amamentando. Quando voltei ao trabalho, ela foi para a  escolinha e, na primeira semana, teve nova reação após ingerir uma papinha com leite. Desta vez, teve urticária e vômitos. Nesse mesmo dia fizemos um Prick-Test e ficou comprovada a alergia ao leite e ovo (para minha surpresa porque ela nunca teve reação com ovo). O teste para soja deu negativo.

Procurei um alergista que me orientou a não fazer dieta, pois ela não reagia com o leite materno (será que não reagia ou eu não percebia???). Ela mamou até 1 ano e 2 meses, quando parou por conta própria.

Nessa mesma época, enfrentamos muitos problemas respiratórios, ela tinha muita tosse e chiado no peito. Fizemos até um tratamento com aromaterapia para melhorar a imunidade e acredito que ele tenha ajudado muito.

Quando ela deixou o LM, a orientação do pediatra foi introduzir fórmula de soja, mas ela também não aceitou. Aliás, ela nunca aceitou nenhum leite de fórmula ou vegetal (nem puro, nem com frutas, com Vitalon, aveia, baunilha, nada). Aceitava apenas na forma de mingau. O restante sempre comeu bem, toma suco de frutas e iogurte de soja. Nunca reagiu a outros alimentos.

A algum tempo os problemas respiratórios diminuíram muito, praticamente não tem mais o chiado que a acompanhava, mas apresenta o nariz congestionado ou com secreção de vez em quando. A pele está boa, parece ser mais sensível que o normal, aparece uma manchinha aqui ou ali que não consigo distinguir bem qual a causa, mas não se compara a pele de antes do diagnostico da dermatite atópica. Não teve mais urticária, vômitos, diarréia, o intestino funciona bem, dorme bem.

Seguimos em dieta livre de leite e derivados, mas com pouco controle de traços (come na escola, em restaurantes, poucos derivados ainda entram em casa, mas evito produtos como biscoitos, pães, bolos, chocolates que sei que contém traços). O ovo suspendi por algum tempo, mas depois reintroduzi novamente e hoje o Ig-E é negativo.
 
Em maio ela completou 3 anos, refizemos os exames e o Ig-E do leite deu 0,31 (alergia muito baixa). Foi aí que a gastro que a acompanha sugeriu fazer um teste de provocação oral (TPO) ou enfrentamento na clínica.
 
Para quem não conhece o termo, TPO é um teste que consiste em ofertar o alimento alergênico em doses crescentes e intervalos regulares, sob supervisão médica, com concomitante monitoramento de possíveis reações clínicas. Em outras palavras, é dar leite para a Malu para ver se ela tem alguma reação!
 
Foi aí que surgiu o medo! Muito medo!
 
Nós já fizemos um TPO antes, quando a Malu estava com um pouco mais de um ano. Ela não reagiu durante o teste, mas depois surgiram manchas na pele e uma assadura bem feia e suspendemos a reintrodução do leite.
 
Olhando o histórico dela parece que agora o momento é adequado. Se ela não fosse minha filha, eu certamente diria para a mamãe "- faz o teste, só assim você vai saber se ela está curada ou não!"

Só que... Depois de mais de 2 anos aprendendo sobre a alergia alimentar cheguei a conclusão que fiz tanta coisa errada, por falta de orientação mesmo. Não fiz dieta durante a amamentação, não segui nenhum esquema especial na introdução dos alimentos sólidos, não controlei traços como devia... Isso me enche de culpa! E o medo se alimenta dessa culpa!

Ao mesmo tempo fico pensando nas privações que ela passa nas festinhas da escola, nos restaurantes, nas casas dos amigos... No tanto de "nãos" que ela ouve... e na carinha que ela faz quando pergunta: " - mamãe, quando eu cresceu eu vou poder comer coisas com leite?"

Bom, não fizemos o TPO em julho, como a gastro queria e nem foi por decisão minha... No dia que a médica estava de plantão na clínica, a Malu estava se recuperando de uma infecção respiratória e tomando antibiótico. Talvez essa época do ano não seja muito adequada, uma vez que os resfriados são mais comuns no inverno, né?

Então, eu ganhei um tempo e, para me sentir mais segura, resolvi marcar uma consulta com outro alergista para ter mais uma opinião e se possível fazer um novo Prick-test. A consulta será no dia 13 de agosto.

Depois da consulta, dependendo da opinião do médico e do resultado dos testes, eu prometo não deixar o medo me paralisar e dar mais um passo rumo à cura.

Atualizando: a consulta do dia 13 de agosto não rolou... O papai tinha um compromisso de trabalho muito importante na data da consulta e como a clínica fica em outra cidade eu tentei antecipar data. Mas não foi possível e a atendente me orientou a tentar um encaixe nos dias que antecediam a consulta. Assim fizemos, no dia 11/08 fomos para a clínica cedinho. Mas o médico abençoado chegou com 45 minutos de atraso e não autorizou o encaixe. Fiquei tão chateada com a falta de atenção que desisti de vez dele. Médico de má vontade eu dispenso! Agora estou tentando agendar consulta com outro alergista.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Receita - Bolo de limão siciliano e iogurte com a participação da minha ajudante

A mamãe ganhou uma ajudante na cozinha! Agora toda vez que vou cozinhar, a Malu quer pegar uma cadeira, encostar na pia e me ajudar... Claro que mais atrapalha do que ajuda, mas eu gosto de envolvê-la nas tarefas. Não lembro de fazer isso com a minha mãe e acho que momentos assim deixam boas lembranças...
Aproveito para ir explicando sobre os alimentos e como são feitos. Mas é preciso uma dose extra de cuidados e paciência!

Esses dias fizemos um bolo de limão siciliano e iogurte.

A receita é:
3 ovos
1 xícara de açúcar (usei demerara)
1/2 xícara de óleo (usei de canola)
1/2 xícara de suco de limão siciliano (se for outro limão use menos)
1 potinho de iogurte (usei de soja sabor pêssego)
2 xícara de farinha de trigo
1 colher de fermento em pó

Modo de preparo:

Bata os ovos, o açúcar, o óleo, o suco de limão e o iogurte no liquidificador. Depois misture esse creme com a farinha de trigo e, por último, coloque o fermento.
Leve para assar numa forma untada com óleo, em forno médio, por uns 30 minutos ou até que espetando um palito esse saia limpo.

Fica um bolo muito macio e com um gostinho de limão maravilhoso!
 
Colocando o iogurte

Provadinha na massa

O bolo pronto
 


* Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.

A primeira Copa da Malu

Eu não podia deixar de registrar a primeira Copa do Mundo da Malu!

A torcedora mais linda e empolgada. Pediu para comprarmos uma bandeira do Brasil e uma corneta.

Nos dias de jogos, vestia sua camiseta e voltava da escola com as unhas pintadas de verde e amarelo!

E ainda nos ensinou a torcer: Brasilsilsilsil!

Ah! E fã do Neymar! kkkk

Com a sua camiseta personalizada
 * Camiseta feita pela Gonnart Personalizados

Família reunida no primeiro jogo do Brasil no Dia dos Namorados

Fazendo bagunça com a mamãe

Família unida mesmo na derrota (Alemanha 7 x Brasil 1)


No jogo da final (Alemanha x Argentina) perguntou:

- Mas cadê o Neymar, gente?

- E agora vai tocar o hino do Brasil?

Tadinha, bem que eu queria que o Brasil estivesse em campo naquele jogo... Mas daqui a 4 anos tem mais! Que venha o Hexa!

terça-feira, 8 de julho de 2014

Receitas - Sobremesas sem leite

Na minha opinião, um dos maiores desafios da culinária sem leite é fazer sobremesas! Isso porque substituir o leite condensado não é nada fácil! Você pode dizer: - Ah, mas tem o condensado de soja! Mas como eu já comentei aqui várias vezes, eu detesto! Eca! kkkkk
 
Por esse motivo, durante um bom tempo eu só me dediquei aos bolos! E me orgulho muito de conseguir fazer bolos bonitos e gostosos sem leite e derivados. Mas chegou a hora de vencer o desafio e aprender a fazer sobremesas do mesmo jeito. Confesso que as primeiras não saíram tão boas assim, mas acho que estou evoluindo (ou será que o meu paladar é que está se acostumando?)
 
No último jogo do Brasil na Copa, reunimos os amigos para um churrasco e eu fiz 3 sobremesas sem leite: um pudim de chocolate, um manjar de coco e um bolo de chocolate com café. Eu gostei bastante e acho que os meus amigos também, porque todos comeram e repetiram! Espero que não tenha sido para me agradar! kkkk
 
Então, vamos às receitas...
 
PUDIM DE CHOCOLATE (Brigadeirão)
 
Essa receita é basicamente a mesma do pudim de leite de coco, acrescentando apenas cacau em pó. Dessa vez em fiz com 6 ovos, pois usei uma forma maior.
 
6 ovos
400 ml de leite de coco
 1 xíc. (chá) de açúcar demerara (cometi o engano de colocar 2 xícaras de açúcar e ficou muito doce)
2 colheres de sopa de cacau em pó
1 pitada de sal
1 xícara de açúcar + 1/2 xícara de água para a calda.
 
Eu faço a calda numa panela, conforme aprendi aqui, mas você pode fazer diretamente na forma usando apenas 1/4 xícara de água. Nesse caso, coloque o açúcar em uma forma para pudim com furo no centro, leve ao fogo bem baixo e deixe o açúcar derreter. Assim que estiver dourado, coloque a água quente com cuidado e mexa. Deixe descansando enquanto coloca o pudim para bater. Não sei o que aconteceu, mas a minha calda ficou açucarada...
 
Peneire todas as gemas para retirar a película que pode causar cheiro de ovo na receita - passo importantíssimo e que não pode deixar de ser feito! Coloque os ingredientes no liquidificador e bata bem. Despeje na forma e leve para assar (forno médio 180 graus pré-aquecido) em banho maria por 1 hora.
 
Quando desinformei, achei que ficou com pouca calda, parecendo mais um brigadeirão. Por isso, polvilhei chocolate granulado por cima, mas é opcional.
 
 
MANJAR DOS DEUSES
 
A minha mãe fazia um manjar de coco que eu adorava! Mas ela usava leite condensado e creme de leite, então, adaptei a receita usando leite de coco, açúcar e creme de soja. Ficou muito gostoso!
 
400 ml de leite de coco
1 xíc. (chá) de açúcar
50 gr de coco ralado (sem açúcar)
1 caixa de creme de soja
1 pacote de gelatina sem sabor
Ameixas secas sem caroço
1 xícara de açúcar + 1/2 xícara de água para a calda de ameixa
 
Bata no liquidificador o leite de coco, o açúcar, o coco ralado e o creme de soja. Dissolva a gelatina conforme as instruções da embalagem e junte aos demais ingredientes do liquidificador, batendo mais um pouco. Despeje num refratário e leve para gelar por algumas horas.
 
Um pouco antes de servir faça a calda. Pique as ameixas em pedaços e leve ao fogo com a água e o açúcar, até a calda engrossar um pouco e as ameixas ficarem bem macias.
 
Se quiser pode desinformar (eu fiquei com medo de não dar certo e servi no refratário mesmo! kkkk). Despeje a calda por cima antes de servir.
 
 
BOLO DE CHOCOLATE COM CAFÉ
 
Essa receita nada mais é do que uma Nega Maluca feita com café no lugar da água, mas eu caprichei na cobertura e ficou uma delícia! Amo a combinação de chocolate e café!
 
3 ovos
1 xícara de açúcar (eu usei demerara)
1/2 xícara de óleo (eu usei de canola)
3 colheres de sopa de cacau em pó
1 xícara de café forte morno
2 xícaras de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó
 
Cobertura:
100 gr de chocolate meio amargo sem leite
1 colher de sopa de açúcar
1 colher de café de café solúvel
1 caixa de creme de soja
 
Bata no liquidificador os ovos, o açúcar, o óleo, o cacau em pó e o café. Misture com a farinha de trigo até formar uma massa homogênea e, por último, junte o fermento.
Leve para assar numa forma untada com óleo, em forno pré-aquecido, à 200 grau por cerca de 30 minutos ou até que espetando um palito, este saia limpo. Desenforme depois de frio.
 
Derreta o chocolate em banho-maria ou no micro-ondas, junte o creme de soja, o açúcar e o café solúvel e cubra o bolo.

* Gostaria de pedir desculpas pela qualidade das fotos que coloco no meu blog. Como vocês podem perceber, sou uma fotógrafa completamente amadora. Além disso, sempre acabo tirando as fotos na hora de servir, ou seja, com pressa. Um dia ainda quero aprender a fotografar melhor.
** Use produtos de marcas que você confia e tem informações quando aos alergênicos. Na dúvida, ligue para o SAC.  

Festa Junina na escola

Quase esqueço de contar como foi a festa junina da Malu na escola...
 
Ela estava tão ansiosa com essa festa! Vinha cantando as músicas e mostrando a coreografia que estava ensaiando a uns 15 dias.
 
Como o vestido que ela usou nas duas festas juninas anteriores não serve mais, saí em buscar de um para comprar. Quase caí dura quando vi os preços... tem lojista com coragem de cobrar R$ 140,00 por um vestidinho horroroso! Surreal! Ainda bem que encontramos um por menos de R$ 40,00 nas Lojas Americanas.


Antes

Mas achei ele meio sem graça e resolvi enfeitar um pouco mais. Não ficou bem do jeito que eu queria (eu devia ter escolhido uma fita mais alegre), mas ficou bonitinho, né?
 
Depois
 
Mas a minha jequinha ficou linda demais!
 
Jeca "Rosilda"

Fiz maças do amor para ela levar, conforme a escola me pediu, com a mesma receita da festinha de aniversário dela.

Maças secando

 
Prontas para levar para a escola

Como sempre faço, alguns dias antes da festa estive na escola questionando sobre o que mais seria servido na ocasião e me responderam que não haveria nada que a Malu não pudesse comer. Que iria ter pipoca, pinhão, cachorro-quente com o pão que ela sempre come, etc. e eu achei que não era necessário fazer o "kit festa" dela.
 
Mas quando cheguei na escola, me deparei com essa mesa... Linda, mas repleta de coisas feitas com leite, como bolo de milho, pão de queijo, canjica e outras que eu nem tinha como saber a composição, pois foram tiradas da embalagem.
 
Mesa das comidas
 
Tentando disfarçar o meu pânico, fui atrás da professora para saber o que a Malu tinha comido, pois a festa tinha começado mais cedo e apenas no final da tarde foi aberta aos pais. Ela me respondeu que a Malu tinha comido pipoca, paçoca (que eu mandei mesmo sem terem pedido) e milho cozido. E ainda que pediu bolo de milho, mas que não deram por não saber se continha leite ou não, já que foi feito por outra mãe.
 
Fiquei mais aliviada em saber que ao menos tiveram o cuidado de não deixar ela comer algo que não podia, mas não menos frustrada...

Chegou a hora da apresentação da turma da Malu e eu fiquei muito orgulhosa da sua desenvoltura. Mesmo tendo só 3 aninhos, dançou a coreografia tão direitinho. Coisa mais linda da mamãe!

Dançando com a turminha e a professora Marcia

Balançando a saia
 
Depois da apresentação, ela brincou um pouco, comeu pipoca e paçoca. Mas acabamos saindo da festa cedo, pois cada vez que ela chegava perto da mesa e me perguntava o que poderia comer, eu ficava angustiada em ter que responder que ela podia comer só pipoca.  
 
Saí da festa me sentindo culpada por não ter feito um kit com bolo e doces de marcas confiáveis para que ela pudesse comer à vontade, mas aprendi a lição, da próxima vez, vai ter "kit festa junina"!
 
Mas não posso deixar de agradecer Deus por ter uma filha tão linda e inteligente! E também por ela não se sentir excluída por conta da sua restrição alimentar. Apesar de não poder comer tudo o que tinha na festa, ela estava muito feliz! 

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Receita - Pão de Mandioquinha (Falso pão de queijo)

Faz um tempinho que fiz essa delícia, que lembra muito o pão de queijo, mas ainda não tinha publicado aqui...

A receita é do blog Nutrição Infantil, mas ao contrário da Karine, que trocou a mandioquinha da receita da amiga por inhame, eu troquei o inhame por mandioquinha! kkkk
 
É bem fácil de fazer e rende bastante.
 
Você vai precisar de:
 
500g de mandioquinha cozida e amassada
500g polvilho azedo
2 colheres de chá de sal...
150ml azeite
Água em temperatura ambiente quanto baste (use a água do cozimento da mandioquinha)
Se quiser, adicione 3 colheres de sopa de chia (eu não usei)
 
Misture o polvilho com o azeite e o sal e forme uma farofa.
Adicione a mandioquinha e amasse bem. Sove a massa.
Se precisar, adicione ao poucos a água até a massa ficar gostosa de trabalhar e desgrudar das mãos. Cuidado pra não molhar demais. A massa fica lisinha.
Fazer bolinhas e assar até dourar em forno pré-aquecido à 200 graus.
 
Eu fiz meia receita, apenas para testar e assim mesmo, dividi a quantidade de pãezinhos pela metade. Assei uma parte e congelei a outra. Alguns dias depois, assei os pãezinhos congelados e ficaram iguaizinhos aos primeiros. Uma delícia! 



Saindo do forno


Quentinho é uma delícia!
 
* Use sempre produtos de marcas que você conhece e tem informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, entre em contato com o SAC da empresa.