sexta-feira, 28 de março de 2014

Informações básicas sobre APLV

Hoje eu venho falar do que considero mais importante quando se descobre que tem um filho com uma alergia alimentar: a busca por informações. Mães e pais de crianças alérgicas precisam tornarem-se PhD no assunto!

Já vou avisando que a tarefa não é fácil! Na maioria das vezes, a gente sai dos consultórios médicos com mais dúvidas do que entrou... Isso quando não temos que passar por um verdadeiro calvário, de consultório em consultório, sendo atendidos por médicos que não entendem nada de alergia (mas esse é assunto para um outro post).

Quando a Malu teve a primeira reação alérgica aos 5 meses (depois de tomar 70 ml de Nestogeno teve manchas vermelhas no rosto e corpo), eu não tinha ideia que existia Alergia à Proteína do Leite - APLV, mas fiquei preocupada e resolvemos levar a Malu ao pediatra no mesmo dia. Chegando lá, todos os sintomas já tinham desaparecido e o pediatra ficou me olhando como se eu fosse maluca. Ele me disse que ela não poderia ser alérgica à proteína do leite, porque tinha um ótimo peso e, até então, vinha tomado somente leite materno...

Mas eu não me conformei, a minha intuição dizia que algo estava errado, passei a vasculhar a internet em busca de informações sobre a alergia e tive a certeza que a minha filha era APLV. O que só foi confirmado por um médico depois de outras reações ao contato com o leite.

Hoje, depois de 2 anos, eu relembro desses momentos e penso no quanto me fez falta conhecer mais sobre esse assunto... O refluxo desde os 10 dias de vida, tratado como fisiológico, a dermatite atópica antes dos 3 meses, tratada com medicamentos e produtos de higiene especiais, já não sugeriam uma possível alergia alimentar?

Acho que é por esse motivo que eu assumi como dever divulgar informações sobre a APLV de todas as formas possíveis. Falo tanto nesse assunto que as pessoas devem me achar a mais chata do mundo, mas eu não perco a oportunidade de repassar o que eu aprendi, faço parte de grupos de mães, uso o meu perfil no facebook e esse blog.

Então, mamães, eu gostaria de passar algumas informações básicas para quem está chegando nesse mundo agora:
  • Desconfie de APLV se o seu bebê apresentar um ou mais sintomas, como: diarréia, sangue ou muco nas fezes, prisão de ventre, irritabilidade, refluxo, vômitos, vermelhidão ou lesões na pele, perda de peso, chiado no peito, infecções repetitivas, entre outros. 
  • Entenda que Alergia à Proteína do Leite é diferente de Intolerância à Lactose. Não existe alergia à lactose! Cuidado: produtos sem lactose podem conter a proteína do leite, que é o que causa reação no alérgico. Veja mais aqui.
  • Mães que amamentam precisam fazer dieta de exclusão de leite e derivados. Eu fui orientada pelo alergista a não fazer dieta, porque a Malu não tinha reações com o leite materno, mas me arrependo muito. A proteína do leite de vaca passa pelo leite materno e alguns estudos indicam que a criança que permanece em contato com o alergênico tem a cura retardada. Dependendo do caso, a dieta pode excluir também outros alimentos, principalmente: soja, carne vermelha, frutos do mar, oleaginosas, etc.
  • Fique atenta aos rótulos dos alimentos. O leite pode aparecer com outros nomes nos produtos, observe essa listagem aqui. Se no rótulo não constar a informação de que não possui leite, não se dê por satisfeito, pois a maioria das indústrias brasileiras não rotula corretamente os produtos e não são mencionados os traços (resíduos do alergênico no maquinário utilizado). Então, o mais seguro é entrar em contato com o SAC da empresa perguntando se o produto é feito com leite e/ou em equipamentos onde são processados alimentos com leite.
  • Tome cuidado com a contaminação de utensílios domésticos, troque o copo do liquidificador, se for de plástico. e potes onde são guardados os alimentos. Tenha uma esponja de louça para lavar os utensílios que tenham contato com leite e outra para os demais. 
Para mais informações sobre a APLV, veja Alergia à Proteína do Leite de Vaca



quinta-feira, 20 de março de 2014

Ovos de páscoa sem leite (2014)

No último post eu comentei que estive com a Malu num supermercado e ela ficou encantada com os ovos de páscoa pendurados, lembram? Confesso que o meu coração doeu por não poder comprar um daqueles ovos para ela. Eles são feitos para atrair os olhos das crianças, embalados em papéis coloridos, com personagens e brinquedos dentro.

Mas, eu e outras mamães de crianças alérgicas não precisamos nos desesperar, pois já existem algumas opções de ovos de páscoa sem leite, talvez não tão fáceis de encontrar e um pouco mais caras, mas a Páscoa dos nossos pequenos não vai passam branco. 

Essas são algumas marcas que eu conheço:

Sollys - Nestlé


Atualização de 26/02/2016: Esse foi o ovo de páscoa que compramos para a Malu em 2013. A Nestlé deixou de produzir.

Olvebra


Ovos de chocolate de soja Chocosoy Tradicional e Diet - 200 gr
Disponível nos supermercados e também na Loja Virtual
Atualização de 26/02/2016 - Os chocolates da Olvebra são produzidos em equipamento compartilhado higienizado, portanto, não é garantida da isenção de traços.


Cacau Show


Ovo de chocolate meio amargo sem lactose e sem glúten - 180 gr.
Disponível nas lojas.
Atualização de 26/02/2016 - A linha Zero Lactose da Cacau Show não possui leite na composição, no entanto, é produzidos em equipamento compartilhado higienizado, portanto, não é garantida da isenção de traços.

SOS Alergia


O SOS Alergia tem vários opções de ovos de páscoa sem leite, com soja ou sem soja, sem glúten e até sem cacau. Os produtos são embalados com papéis decorados e alguns vem com brinquedos, como as crianças gostam.
Eles revendem também os ovos de alfarroba da Carob House. 
Disponível nas lojas e na Loja Virtual.


Ouro Moreno


Os chocolates da Ouro Moreno são orgânicos e fabricado com apenas três ingredientes, que são o licor de cacau, a manteiga de cacau e açúcar orgânico.  Todos os produtos são 100% isentos de lactose e proteínas do leite, glúten, soja e aditivos químicos.

Ovo de Páscoa - 250 gr
Disponível na Loja Virtual

Como vocês podem ver, com exceção dos ovos do SOS Alergia, os demais produtos não tem embalagens muito atraentes para as crianças, por isso, eu sugiro que usem a criatividade de mãe (e mãe de alérgico sempre tem que ser criativa) e incrementem os chocolates dos pequenos. Você pode comprar um papel com bichinhos e trocar a embalagem e também colocar um brinquedinho dentro. Afinal, quem não adora uma surpresa?

Eu já comprei os ovinhos da Malu e estou procurando uma lata ou maleta para colocar, já comprei um brinquedinho também. Depois eu posto aqui como ficou.

* Veja a lista atualizada em 25/02/2016 aqui.

Obs.: Este post não é patrocinado. Eu não tenho nenhum relacionamento com as empresas indicadas. Em caso de dúvida, entre em contato com os SAC´s das empresas.


segunda-feira, 17 de março de 2014

Um pouco do que andamos fazendo

Eu não ando muito inspirada para publicar no blog, não sei bem porque... Talvez pela falta de tempo ou de grandes novidades para contar, mas hoje vim dar uma pincelada nos acontecimentos dos últimos dias.   


Festinhas da escola

Depois do episódio do "morango do bolo" que falei aqui, houve uma reunião de pais e ficou decidido que as festinhas de aniversário serão feitas apenas para os alunos de cada turma, ao invés da escola toda como anteriormente. Pode não ser a solução ideal, mas ao menos, o número de festas cai bastante, o que diminui o risco da Malu comer alguma coisa que não pode ou ser excluída por não pode comer. 


Carnaval

Teve bailinho na escola na sexta-feira antes do carnaval e a Malu foi fantasiada de Branca de Neve. Princesa mais linda da mamãe!

Pronta para o bailinho da escola

No domingo ela se divertiu mais num bailinho no Floripa Shopping. Mesmo tendo outras fantasias, ela quis repetir a de Branca de Neve!

A foto saiu um pouco tremida, mas tá valendo.

Passeio da escola

No dia 12/03 a Malu fez um passeio com a sua turminha da escola. Eles foram visitar o Parque da Lagoa do Peri como atividade integrante do projeto pedagógico que está sendo trabalhado nesse semestre sobre o meio ambiente. 

Confesso que eu fiquei muito preocupada em deixá-la sair da escola e ir para um local onde poderiam haver bichos, tem uma lagoa e muito mato. Mas o papai conversou com a coordenadora que garantiu que seria seguro e acabamos deixando ela ir. 

Apropriando-me das palavras da minha amiga Isabella:  Ser mãe envolve também controlar os nossos medos e instinto protetor para permitir que os nossos filhos tenham a oportunidade de viver as próprias experiências. Minha borboletinha está dando os seus primeiros vôos!

Não preciso nem dizer que ela amou o passeio, né?

Em casa, depois do passeio, assistimos desenho juntas.

Cinema de novo

No último sábado eu e a Malu fomos ao cinema assistir Tinker Bell: Fadas e Piratas. A Malu adorou o filme e mais ainda a pipoca! Como gosta de pipoca essa menina!




E a alergia?

Eu não tenho nenhuma novidade para contar sobre a APLV. Graças a Deus, a Malu está super bem de saúde, ainda em dieta, mas isso é o de menos. Ela está cada dia mais acostumada com as suas restrições e sempre que vai comer alguma coisa me pergunta se tem leite. 

Ela está entendendo também que a maioria das coisas que vê no supermercado são proibidas para ela, mas que a mamãe e o papai dão um jeito de comprar ou fazer o que ela pode comer. 

Esses dias fomos num supermercado e ela ficou encantada com os ovos de páscoa pendurados. Na verdade, ela nem se deu conta de que são de chocolate, o que chamou a atenção dela foram as cores e os personagens dos ovos. Eu expliquei que aqueles ovos ela não poderia comer, mas que iria ganhar o dela. 

Hoje em dia já existem opções de ovos de chocolate sem leite ou de soja, mas é uma pena que as embalagens sejam tão sem graça. A indústria ainda não se deu conta do número de crianças alérgicas que existem. Mas mãe de alérgico dá jeito em tudo e eu já tenho ideia do que vou fazer. Depois eu volto para contar.

Em maio vamos repetir os exames e em junho temos consulta com a gastro. Espero ter boas notícias depois.

sexta-feira, 7 de março de 2014

Receitinhas atrasadas

A correria anda grande, por isso estou um pouco ausente daqui. Mas passei para compartilhar as minhas últimas experiências culinárias. 


Brigadeiro de doce de banana


Eu ando testando todas as receitas que encontro de brigadeiro, para ver qual delas vou fazer no aniversário da Malu. Vi no blog A cozinha de João duas receitas de brigadeiro com banana e resolvi testar uma delas, alterei apenas a quantidade de doce de banana. 

6 colheres de sopa bem cheias de doce de banana (desses de comer com pão)
2 colheres de sopa rasas de chocolate em pó sem leite
1/2 colher de sopa de margarina sem leite

Colocar numa panela e levar ao fogo baixo, mexendo até desprender do fundo. Dá o ponto rápido. Deixar esfriar na geladeira. Enrolar e passar no chocolate granulado.
Não precisa colocar açúcar porque o doce de banana já tem.

Não rende muito (8/9 brigadeiros), mas é o ideal para o "kit festa" da Malu.

A massa fica um pouco mais "puxa-puxa" que o brigadeiro de leite condensado, mas não é difícil de enrolar. Basta untar as mãos com um pouco de margarina.

Quanto ao sabor, claro que não fica igual ao de leite condensado (nem tem como, né?), mas fica muito gostoso. O sabor da banana fica suave, com a vantagem de não utilizar soja (eu continuo resistente ao leite condensado de soja). A Malu adorou e vive pedindo para eu fazer de novo. 


Pãezinhos Caseiros assados na Airfryer (pode assar no forno):
* Receita extraída do Blog Fritadeira sem Óleo

1 xícara de água morna (240ml)
1 colher de sopa de azeite
1 e 1/2 colheres de chá de sal
2 colheres de sopa de açúcar
3 xícaras de farinha de trigo
2 colheres de chá de fermento biológico granulado seco ou 3 de fresco

Em uma tigela misture todos os ingredientes, sove bem até virar uma massa homogênea (eu precisei colocar um pouquinho mais de farinha para dar ponto). Depois divida a massa e modele os pãezinhos como preferir (eu fiz bolinhas e recheei com peito de perú picadinho) e vá colocando em uma assadeira, prato ou bandeja. Eu pincelei uma gema de ovo e polvilhe orégano nos pãezinhos, mas não é opcional.
Aqueça a Aifryer (ou o forno) à 180 grau por 5 minutos. Coloque os 4 a 5 pãezinhos dentro da cesta (ou todos no forno) e deixe crescer por uns 10 minutos (desligado). Asse na Airfryer por 10 minutos ou no forno até que estejam douradinhos. Na Airfryer repita o processo até assar todos os pãezinhos. 
Rendeu 14 unidades.

Para transformar em pãezinhos doces acrescente mais 2 colheres de sopa de açúcar à receita.
Para pães integrais, substitua 1 xícara de farinha de trigo branca por farinha de trigo integral e acrescente grãos se desejar.
Pode usar o recheio que quiser.

Achei a receita super prática, fácil e rápida. Só para assar é que demora um pouco por ter que assar de 4 a 5 pãezinhos de cada vez.


Bolo de banana sem leite, sem açúcar e sem farinha
Essa receita estava bombando nas redes sociais e resolvi testar.

2 bananas
1/2 xícara de uva passa
1/4 xícara de óleo
1 xícara de farinha de aveia
1 colher de fermento
2 ovos pequenos

Bater tudo no liquidificador, deixando o fermento por último.
Colocar para assar em forno em 200º por 30 minutos em formar untada e enfarinhada com a aveia. 
Se desejar, polvilhar com canela (não fiz isso).

Eu esperava um pouco mais desse bolo, algumas pessoas conhecidas testaram e adoraram. Mas eu achei que faltou um pouco de açúcar (apesar de usar bananas bem maduras). Mas ficou gostoso e macio (quase um mousse por dentro). 

Quem gosta de banana e de bolos pouco doces, deve experimentar. Talvez, se colocar umas 2 colheres de açúcar, fique mais gostoso.  Infelizmente, a Malu não aprovou.

 * Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.