quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Primeiro baile de Halloween

Hoje a Malu teve o seu primeiro Baile de Halloween na escola! Ela não tem nenhuma noção do que significa essa data, mas já assistiu desenhos em que os personagens se fantasiam e saiu de casa toda feliz com a sua fantasia de bruxinha. 

Mas afinal o que é o Halloween?

O Halloween, também chamado de Dia das Bruxas, é um evento tradicional e cultural, que ocorre nos países anglo-saxônicos, com especial relevância nos Estados Unidos, Canadá, Irlanda e Reino Unido, tendo como base e origem as celebrações dos antigos povos, sendo que não existe ao certo referências precisas de onde surgiram essas celebrações.

A palavra Halloween tem origem na Igreja católica. Vem de uma tradição contraída do dia 1 de novembro, o Dia de Todos os Santos, é um dia católico de observância em honra de santos. 

Estudiosos dizem que a palavra Halloween surgiu da seguinte forma:
O nome é, na realidade, uma versão encurtada de "All Hallows' Even"(Noite de Todos os Santos), a véspera do Dia de Todos os Santos (All Hallows' Day). 
"Hallow" é uma palavra do inglês antigo para "pessoa santa" e o dia de todas as "pessoas santas" é apenas um outro nome para Dia de Todos os Santos, o dia em que os católicos homenageiam todos os santos. Com o tempo, as pessoas passaram a se referir à Noite de Todos os Santos, "All Hallows' Even", como "Hallowe'en", e mais tarde simplesmente "Halloween".

Uma das lendas de origem celta fala que os espíritos de todos que morreram ao longo daquele ano voltariam à procura de corpos vivos para possuir e usar pelo próximo ano. Os celtas acreditavam ser a única chance de vida após a morte. Como os vivos não queriam ser possuídos, na noite do dia 31 de outubro, apagavam as tochas e fogueiras de suas casa, para que elas se tornassem frias e desagradáveis, colocavam fantasias e ruidosamente desfilavam em torno do bairro, sendo tão destrutivos quanto possível, a fim de assustar os que procuravam corpos para possuir.

Os Romanos adotaram as práticas célticas, mas no primeiro século depois de Cristo, eles as abandonaram.

O Halloween foi levado para os Estados Unidos em 1840, por imigrantes irlandeses que fugiam da fome pela qual seu país passava e passou ser conhecido como o "Dia das Bruxas".


Doces ou travessuras?

A brincadeira de "doces ou travessuras" é originária de um costume europeu do século IX, chamado de "souling" (almejar). No dia 2 de novembro, Dia de Todas as Almas (ou Finados aqui no Brasil), os cristãos iam de vila em vila pedindo "soul cakes" (bolos de alma), que eram feitos de pequenos quadrados de pão com groselha. Para cada bolo que ganhasse, a pessoa deveria fazer uma oração por um parente morto do doador. Acreditava-se que as almas permaneciam no limbo por um certo tempo após sua morte e que as orações ajudavam-na a ir para o céu.


Para os pequenos, o Halloween é apenas uma brincadeira, pura diversão. Olhem só a carinha de felicidade da minha bruxinha:



terça-feira, 29 de outubro de 2013

Não quero cenoura, mamãe!

Eu sempre me orgulhei tanto da Malu ser "boa de garfo"... Desde as primeiras papinhas, que eu fazia com arroz ou macarrão, carne ou frango, feijão ou outro grão, 3 tipos de legumes e amassava com um garfo, não ficava nada no prato!

Mas, nos últimos tempos, ela anda chatinha para comer... Não quer isso, não quer aquilo... Tem dias que só quer comer arroz, no outro só os grãos do feijão! Agora deu para falar "- não quero cenoura, tá, mamãe?", antes mesmo de ver o que estou colocando no prato! 

Ela que, sempre comeu legumes, agora fica separando no prato ou então coloca na boca e cospe! Aff...

Esse final de semana, como ela estava meio resfriadinha, eu queria que ela se alimentasse bem e inventei a minha versão do molho "turbinado" inspirada nessa receita do blog As Delícias do Dudu. 

Mas fiz um pouco diferente da receita original: refoguei cebola e alho no azeite, juntei tomate sem pele picadinho e mandioquinha, cenoura e brócolis. Deixei cozinhar os legumes e depois de pronto, bati tudo no liquidificador. Servi com macarrão e hambúrguer caseiro com cenoura. Salpiquei salsinha picada por cima. Ela comeu todo o macarrão, mas não quis o hambúrguer.  


Jantar de sábado da Malu

Eu sei que bater os alimentos no liquidificador não deve ser rotina porque a criança precisa saber o que está comendo, mas acho que esse truque pode ser usado para casos emergenciais, para quando a criança está doentinha ou quando a mamãe não está muito a fim de se estressar! 

Outro truque que eu costumo utilizar com frequência é acrescentar legumes nas preparações. Faço sempre arroz com cenoura ou couve, carne moída ou frango com batata, cenoura e vagem (ou outros legumes), hambúrguer ou bolinho de carne com cenoura ralada, bolinhos de arroz, etc. 

Espero que essa seja uma fase passageira e que a Malu volte a comer os legumes como antes. Vou tentar variar mais as preparações para ver se ela anima. Achei algumas dicas interessantes nessa matéria aqui do site Pediatria em Foco.  

E você que truques utiliza para os seus pequenos se alimentarem bem?

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Receita - Bolinho de Beterraba com Cacau

Bolo de beterraba está na moda! Isso mesmo! Se você fizer uma pesquisa no google, vai ver que eu tenho razão! Confesso que, quando vi pela primeira vez, achei um pouco estranho e duvidei que pudesse ser gostoso... Mas pensei que seria uma maneira interessante de fazer a Malu comer beterraba, já que ela, assim como o papai, não gosta nem um pouco. 
Para garantir o sucesso da receita com a pequena, resolvi acrescentar o cacau em pó, pois a Dona Malu puxou ao pai nisso também e só quer saber de bolo de chocolate. 
Fiz da mesma maneira que faço quase todos os meus bolinhos, ou seja, no liquidificador. 

Os ingredientes para 12 bolinhos são:
1 ovo
1/4 xícara de óleo (eu usei de canola)
1/2 xícara de açúcar (eu usei demerara)
1 beterraba bem pequena crua, sem casca e picada
1/2 xícara de água morna (pode ser feito sem a água, mas fica uma massa mais firme)
2 colheres de sopa de cacau em pó
1 xícara de farinha de trigo
1 colher de café cheia de fermento em pó
* Para fazer um bolo grande, utilize 3 ovos e o dobre a quantidade dos demais ingredientes. 

Modo de preparo:

Bater todos os ingredientes no liquidificador, exceto a farinha de trigo e o fermento, que devem ser misturados, posteriormente. Colocar para assar em formas de cupcake, untadas com óleo ou em forminhas de papel, à 200 graus por 20/30 minutos ou até que espetando uma faca esta saia limpa. 

Se desejar, faça uma cobertura de chocolate. Eu fiz a mais simples de todas, mas você pode fazer um brigadeiro mole (tem receita de brigadeiro de leite de coco na página Receitas Doces) ou ganache de chocolate (derreter uma barra de chocolate meio amargo, sem leite e acrescentar uma caixinha de creme de soja ou de arroz. 

Cobertura simples:

Numa panela, colocar 3 colheres de sopa de açúcar, 2 colheres de sopa de chocolate em pó ou 1 de cacau em pó, 1 colher de sopa de margarina Becel e 6 colheres de sopa de água. Mexer bem e levar ao fogo baixo até engrossar. Despejar em seguida sobre os bolinhos. 

Nem parece que tem beterraba, né?

Os bolinhos ficaram muito macios e eu não senti o gosto da beterraba. Não cheguei a dar para a Malu experimentar em casa porque mandei para a escola. Mas acredito que ela tenha gostado.

* Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Criança vestida de criança

Imagem da internet
Sei que o meu post não vai agradar algumas amigas-mães, mas preciso falar: não gosto de criança vestida de mini-adulto

Acho até bonitinho uma criança vestida com uma roupa mais estilosa, com alguns acessórios, mas acho que tem muita mãe (e pai) que anda exagerando, "adultizando" os filhos e esquecendo que isso tem consequências no comportamento da criança. 

Menininhas vestidas como adultas, de salto alto, com as unhas pintadas e maquiadas, começam a se preocupar com a aparência cedo demais e acabam esquecendo de serem crianças. E a infância é uma fase tão gostosa, para quê antecipar as coisas?

As crianças já gostam de imitar os adultos, por natureza, mas para elas é uma brincadeira, um faz-de-conta. A Malu, por exemplo, adora andar com os meus sapatos pela casa, quer usar os meus batons e passear de bolsa. Até ai tudo bem! Até comprei um brilho labial incolor para evitar que ela acabasse com todos os meus batons e ainda tivesse uma alergia (só para lembrar os cosméticos de adultos podem causar dermatites e alergias nas crianças), mas não vai passar disso. 

Gosto de vestir a minha filha como criança e não faço questão de roupas de grife. Prefiro as roupas simples, com estampas alegres e confortáveis para que ela possa brincar à vontade. Para as ocasiões especiais, vestidinhos ou conjuntinhos,  mas nada que a faça parecer uma mini-adulta. 

Quero que ela curta muito a sua infância, que brinque de boneca, de bola (porque não?), que corra, que ande de bicicleta, que se suje de terra. Ela vai crescer e daí vou ter companhia para ir ao salão de beleza ou às compras. Tudo à seu tempo!  

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Início do desfralde, receitinha e praia

Hoje está completando uma semana que iniciamos o processo de desfralde da Malu. 

Confesso que eu adiei o quanto pude, por receio de que a pequena não estivesse totalmente preparada e também dos "transtornos" que são normais dessa fase. Mas depois de conversar com a professora da escolinha, fiquei convencida de que era o momento certo. 

Eu já tinha comprado algumas calcinhas para a Malu, mas achei que eram poucas e sai comprando todas as que achei! kkkkk Acho que até exagerei, ela deve ter mais de 20 calcinhas, de todas as cores, tão fofas! Mas percebi que as calcinhas mais altas (aquelas tipo calcinha da vovô) vestem melhor. 

Por enquanto, ela está indo e voltando da escola de fraldas (para evitar algum acidente na cadeirinha do carro), mas passa o dia inteiro na escola sem fralda. No final de semana também ficou sem fralda em casa. Já tem bastante controle do xixi, mas ainda falta do cocô. Ainda assim, acredito que está tudo saindo muito bem e logo ela estará desfraldada (pelo menos da fralda diurna, daí partiremos para a noturna.)


Receitinha de sábado: Pão de queijo sem queijo

Sábado à tarde, mexendo na minha papelada pasta de receitas, descobri uma apostila com várias receitas sem leite de vaca. Eu nem lembrava mais dela, mas tem receitas ótimas, acho que a consegui no grupo Meu filho é alérgico a leite do facebook, mas naquela época a Malu era muito novinha. Resolvi, então, testar uma receita de "pão de queijo sem queijo" de liquidificador. 

Ingredientes:
1 ovo
1 xícara de água morna
1/2 xícara de óleo de canola (a receita original mandava colocar 3/4, mas achei muito)
1 colher de sopa de sal
2 xícaras de polvilho azedo

Modo de preparo:
Bater o ovo, a água, o sal e o óleo no liquidificador. Ir acrescentando o polvilho aos poucos, sem parar de mexer até formar uma massa homogênea. Despejar em forminhas de empada untadas com óleo e assar no forno bem aquecido à 200 graus. Não encha as forminhas mais do que a metade porque cresce muito. Também não passe de 200 graus para que os pãezinhos não murchem quando tirar do forno. 

Gente, todas as vezes que eu tentei fazer alguma receita com polvilho não deu certo. Eu sempre joguei tudo no lixo! Mas dessa vez foi diferente! Aleluia! Os pãezinhos ficaram muito gostosos, salgadinhos na medida certa e com uma textura que você jura que tem queijo quando está quentinho. Depois de frio, já não ficam tão gostosos. Só que aqui, eu, o papai e a Malu comemos tudo assim que tirei do forno, não deu tempo de esfriar! kkkkk

Assei os primeiros numa fornada em formas de cupcake, mas não gostei porque os pães ficaram muito grandes e com um buraco no meio (não me perguntem porquê), então resolvi assar o restante em formas de empadas. A receita rendeu ao todo 12 pães grandes e 24 pequenos. 

Olhem só como cresce!

Podia ter ficado um pouquinho só mais no forno!

A Malu adorou! Comeu uns 5 pãezinhos no lanche da tarde
* Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.

Passeio na praia

Depois de um longo inverno, finalmente, está começando a esquentar um pouco e domingo fomos passear na praia. Escolhemos a Praia de Ponta das Canas, com o seu mar tranquilo, ideal para crianças.

Imagem da internet, porque não fotografei a praia

Só que a Dona Malu não estava a fim de água, preferiu ficar o tempo todo brincando na areia. Tão mocinha!



Estava tudo muito tranquilo, até a Malu sentir vontade de fazer xixi! Mesmo estando só de maiô, sem fralda, ela não gostou da ideia de fazer xixi na areia ou na água. Ficou segurando o quanto pôde e quando vi que ela não ia fazer, a peguei no colo para levar no banheiro de algum restaurante. Mas foi tarde... A Mamãe tomou um banho de xixi! kkkkk

Agora estou pensando: será que vou ter que carregar o troninho nos passeios fora de casa? As mamães que já desfraldaram os pequenos, como agiam em ocasiões como essa?

Aqui mais algumas fotos no almoço depois da praia:

Sapeca da mamãe

Amor da minha vida!
 

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Receita - Bolo Formigueiro sem leite de vaca

Sexta-feira é dia de piquenique com lanche comunitário na escolinha da Malu. Situação bastante tensa para uma mãe de criança alérgica! Mas eu conto com a ajuda das professoras que ficam de olho para que a Malu não coma alguma coisa que contenha leite e procuro caprichar o máximo possível no que ela vai levar, para que ela tenha vontade de comer o seu próprio lanche.

Como a pequena é apaixonada por bolo de chocolate, resolvi fazer um Bolo Formigueiro usando a base da receita do Bolo de Leite de Coco que já postei aqui no blog. 

Ingredientes para um bolo pequeno (forma de bolo inglês):

1 ovo
3/4 de xícara de açúcar
1/2 xícara de óleo de canola
1/2 xícara de leite de coco + 1/4 de água 
1 e 1/2 xícara de farinha de trigo
1 colher de sopa rasa de fermento em pó
2 colheres de sopa bem cheias de chocolate granulado

Bater os primeiros 4 ingredientes no liquidificador, depois misturar a farinha de trigo até formar uma massa homogênea, acrescentar o chocolate granulado e por último o fermento. Despejar numa forma untada com óleo ou margarina e levar ao forno, pré-aquecido, à 180ºC por 30 minutos ou até que espetando um palito esse saia limpo. 

Ficou um bolo muito gostoso e macio, que pode ser deliciado até sem cobertura nenhuma. Mas se desejar incrementar ainda mais (ou se tiver uma criança em casa como a Malu que só quer saber da cobertura), pode fazer essa de chocolate:
3 colheres de sopa de açúcar
2 colheres de sopa de chocolate em pó (Nestlé)
1 colher de sopa cheia de margarina Becel
6 colheres de sopa de água

Misturar todos os ingredientes e levar ao forno até formar uma calda. Despejar sobre o bolo. 



Pena que mandei tudo para a escola, acho que vou fazer outro no final de semana! 

Ah! Além do bolo, mandei peras e bolachinhas sabor laranja.
* Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Dia das crianças com o Boi-de-mamão e duas receitinhas

Ai, ai, ai... Post atrasado de novo? Acho que já deu para perceber que, de vez em quando, me enrolo para publicar meus posts... Sempre por culpa das fotos que demoro para baixar da máquina. Mas antes tarde do que nunca, né?


Eu não lembro de ter comemorado o Dia das Crianças durante a minha infância... Não era comum ganharmos presentes ou fazermos qualquer coisa diferente nessa data, mas como éramos em 4 filhos, entendo que não era fácil para os meus pais...

Mas hoje que sou mãe, esse dia ganhou um significado especial para mim, assim como todas as outras datas que comemoramos, como Natal, Páscoa, Dia dos Pais e, principalmente, Dia das Mães! Só quem tem a oportunidade de passar essas datas ao lado de uma criança sabe o quanto é especial.

Para mim, o mais importante destas datas, não são os presentes, mas sim dedicar um pouco do tempo à criança, brincar, passear, fazer uma comidinha que a ela goste. Os presentes se vão, quebram, a criança cresce e deixa de brincar, mas as lembranças dos momentos passados juntos ficam para sempre. 

Esse foi o terceiro Dia das Crianças da Malu e o primeiro que ela começou a ter noção do que é. Teve programação especial a semana inteira na escola e no sábado ela já levantou querendo abrir os seus presentinhos. Como fazemos desde o primeiro Dia das Crianças dela, eu e o papai optamos por comprar presentes simples, mas escolhidos com todo o carinho. Então, pensando em duas coisas que ela ama fazer, que são cantar e brincar de colocar as bonecas e bichinhos de pelúcia para dormir, compramos um microfone das Princesas e uma bonequinha com um bercinho (só agora me dei conta que esqueci de fotografar ela brincando com os seus presentes novos). Ela ganhou também um "ursão" de pelúcia do Vovô Osmar que veio almoçar com a gente e mais presentes dos dindos.

Boi-de-mamão

À tarde fomos assistir uma apresentação do Grupo Folclórico "Alivanta Meu Boi" no Open Shopping de Jurerê Internacional.

A Malu tem verdadeira paixão pelo Boi-de-Mamão (eu já falei desse assunto neste post aqui), mas não deixa de ter um pouco de medo também. Assistiu quase toda a apresentação assim, no colo do papai, com as mãos no rostinho e espiando entre os dedos.


Mais fotos da apresentação: 


O Boi-de-mamão

A bernunça

Mais tranquila, veio para o colo da mamãe

Mais diversão: Churrasco, brincadeiras e sobremesa sem leite

Depois da apresentação fomos num churrasco na casa de amigos e a Malu adorou brincar no escorrega e balanço da área do salão de festas.




Em eventos como esses, eu gosto de levar uma sobremesa sem leite de vaca para que a Malu possa comer também e foi a oportunidade perfeita para testar uma receita que encontrei no blog Diário de Receitas sem Lactose aqui. Fiz meia receita e rendeu um bolo pequeno. 

Bolo Brigadeirão 

* Sem leite e sem Glúten

7 ovos
7 colheres de sopa de açúcar
10 colheres de sopa de chocolate em pó sem leite
3 colheres de sopa de margarina sem leite sem leite
3 colheres de sopa de óleo de canola
1 colher de sopa de fermento em pó
50 gramas de coco ralado
50 gramas de chocolate granulado
Margarina sem leite e farinha de trigo para untar e polvilhar (lembrando celíacos não devem usar a farinha)

Bater todos os ingredientes no liquidificador (exceto o chocolate granulado e o fermento) até ficar homogêneo. Colocar o fermento e apenas pulsar. 
Transferir a massa para uma forma de pudim (com furo no meio) untada com margarina e polvilhada de farinha de trigo. Colocar no forno pré-aquecido no fogo médio (180 graus) por aproximadamente 1 hora (no meu forno, 30 minutos foi suficiente). Desenformar depois de frio. 

Cobertura de Chocolate (fiz algumas adaptações na receita original)

50 ml de leite de coco
1 colher de café bem cheia de margarina sem leite
Chocolate meio amargo sem leite picado (usei cerca de 10 unidades do Miau da Cacau Show porque não encontrei o chocolate em barra totalmente isento de leite e traços)
1 colher de sopa de açúcar

Numa panela, colocar o leite de coco e o chocolate picado em pedacinhos. Levar ao fogo baixo até o leite amornar e o chocolate começar a derreter. Tirar do fogo e mexer bem até o chocolate derreter por completo. Adicionar o açúcar, a margarina e mexer bem. Espalhar ainda quente sobre o bolo frio e polvilhar chocolate granulado.


* Sugestão: Faça o dobro de cobertura e reserve metade para colocar sobre as fatias na hora de servir (da próxima vez farei isso). Ah! Faça a cobertura mais perto da hora de servir, eu fiz com antecedência porque ia levar para outro lugar e coloquei o bolo na geladeira, o que fez a cobertura ficar durinha. Acho que mais morna deve ficar mais gostosa. De qualquer maneira, ficou muito gostosa!

Almoço de domingo

Nos últimos meses, tenho tentado fazer pratos com peixe nos finais de semana, pois tanto eu, quanto a Malu precisamos consumir mais pescados. Mas digamos que essa não seja uma das minhas especialidades... Mas assim mesmo resolvi arriscar fazer uma moqueca de forno. Comi uma parecida num restaurante perto do meu trabalho, peguei algumas dicas com a dona do restaurante, pesquisei um pouco na internet e fui para a cozinha... O resultado foi surpreendente! O marido gostou tanto que quer repetir no próximo final de semana!


Moqueca de Peixe de Forno



1 kg de filé de peixe - linguado, brótea, merluza, pescada (eu usei linguado)
Alho em pasta a gosto
1 colher de sopa de sal
Pimenta a gosto
Suco de uns 3 limões
Azeite de oliva (o bastante para cobrir o fundo do refratário, se desejar pode usar azeite de dendê
1 cebola grande
2 tomates 
1 pimentão pequeno verde
1 pimentão pequeno vermelho
1 vidro de leite de coco pequeno
1 xícara de molho de tomate pronto ou caseiro
Cheiro-verde (salsinha, cebolinha, coentro) a gosto 

Tempere o peixe com o sal, alho, pimenta e suco de limão. Deixe marinar por, pelo menos, 30 minutos. Corte as cebolas, os tomates e os pimentões em rodelas. 
Coloque o azeite de oliva no fundo de um refratário, faça uma camada de peixe, cubra com algumas fatias de cebola, tomate e pimentão, faça outra camada de peixe e termine com os legumes. 
Misture o leite de coco com o molho de tomate no que sobrou do tempero e despeje sobre o peixe. Cubra com papel alumínio e leve ao forno pré-aquecido à 250 graus por 30 minutos. Tire o papel alumínio, prove o peixe para ver se está cozido, se estiver, acrescente o cheiro-verde e leve ao forno por mais 10/15 minutos. 

Antes de ir ao forno
Saindo do forno

* Dica: Como dá para ver, vai formar bastante molho, retire com uma concha e faça um delicioso pirão acrescentando farinha de mandioca aos poucos e mexendo bem para não formar grumos. Sirva com arroz branco e uma salada verde. 

A foto não saiu muito boa, mas o pirão ficou delicioso. 
* Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Deus, me dê paciência!!!

Hoje acordei cedo (mais cedo do que eu gostaria e tinha planejado) com o nada agradável som de marteladas do pedreiro que está trabalhando na casa do vizinho (cá entre nós, que mania que esse povo tem de começar a trabalhar antes das pessoas acordarem!!!), o que já não me deixou muito animada para começar o dia...

E na hora de arrumar a Dona Malu para a escola, ela não queria colocar a calça do uniforme de jeito nenhum e só fazia me chutar!!! Pedi para ela parar, perguntei o que ela queria vestir (imaginei que ela queria vestir uma bermuda), expliquei que ela precisa colocar o uniforme, mas nada adiantava... Até que perdi a paciência, falei mais alto e "lasquei" um tapinha na perna...

Não tem nada que me deixe mais chateada do que perder a paciência assim... Eu gostaria de não perder o controle nunca, de ser a melhor mãe do mundo, sou totalmente contra qualquer tipo de violência. Tenho por filosofia a disciplina positiva, procuro sempre conversar, explicar o porquê das coisas, negociar, às vezes, sou até tolerante demais... Mas, puxa, porque os filhos tem que testar a nossa paciência assim? 

Logo lembrei dessa imagem e o meu coração doeu demais...




Então, respirei fundo, terminei de vestir a bendita calça e conversei com ela, falei que não podia chutar a mamãe, que machuca, pedi desculpas por ter perdido a paciência e a abracei bem forte... Mas ainda assim fiquei com um sentimento de culpa enorme!

Agora alguém me responda o que fazer para não perder a paciência nunca? (Se é que isso é possível.). Encontrei um texto interessante, que embora não se aplique diretamente à criação dos filhos, fala em como se tornar uma pessoa mais paciente na vida. 

A paciência é, basicamente, controle. Você pode não dominar esse controle agora, mas certamente é algo que pode ser desenvolvido. Óbvio que existem coisas que estão alheias à sua vontade, mas você precisa saber diferenciá-las para que não tenha um ataque de nervos. Identifique o que pode ser controlado por você e faça o melhor trabalho que puder naquilo. Quanto ao que você não pode dominar, deixe acontecer.

Olhem só as dicas para se tornar o mestre da paciência:

1. Respire
Nos momentos em que você estiver perto de perder o controle esvazie sua mente e foque-se na sua respiração. Respire lentamente, prestando atenção no seu ritmo de expiração e inspiração. Isso vai ajudá-lo a se manter calmo.

2. Caminhe
Um bom truque para se acalmar e manter a cabeça no lugar é fazer uma caminhada. Não precisa ser uma caminhada longa, o objetivo aqui é apenas tirar do centro de seus pensamentos o que está te incomodando. Preste atenção ao caminho que está fazendo, dedique-se a encontrar coisas novas em um lugar pelo qual você passa todos os dias.

3. Reflita
Ao final do seu dia sente-se em seu lugar preferido e pense sobre os acontecimentos. Não ligue a TV, o rádio ou qualquer outra coisa que possa distrair os seus pensamentos. Reserve esse tempo para identificar o que te incomodou ao longo do dia e pensar em como esses problemas podem ser resolvidos.

4. Escute
Não transforme uma conversa em discussão. Mesmo que você não concorde com o ponto de vista de outras pessoas, não tem o menor motivo para criticá-las por isso. Procure ouvir os argumentos das pessoas e falar os seus de forma calma. Antes de responder considere tudo que a pessoa está dizendo.

5. Sorria
Pode parecer absurdo, mas sorrir mais faz com que você se sinta melhor consigo mesmo. Existem situações nas quais um sorriso não cabe, mas na maioria delas ele não vai te prejudicar. Pratique no espelho, veja quanto tempo você é capaz de manter um sorriso.

6. Lembre
Em momentos de stress, escolha as suas lembranças favoritas e pense nelas. Voltar a uma época ou situação que nos fez feliz ajuda a restabelecer a calma.

Texto extraído daqui.

Será que funciona?

Se você quiser ler um texto mais voltado aos pequenos, sugiro esse.

Eu sei que essas birras são normais na idade da Malu e vão diminuir com o tempo. Enquanto isso, vou tentar me controlar mais (respirar, respirar, respirar) e pedir a Deus que me dê uma dose extra de paciência!

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

2 anos e 5 meses

Ontem a Malu completou mais um mês de vida! Minha mocinha está com 2 anos e 5 meses! Parabéns, filha! Mamãe te ama demais!

Ela está tendo programação especial da Semana da Criança na escola. Todo dia tem uma atividade diferente: na segunda-feira teve teatro e ela chegou em casa falando do "lobo-mau", na terça foi dia de levar a motoca para brincar na escola, ontem (quarta) foi dia de fantasia... Além disso, ela pode ir sem uniforme (mas toda manhã reclama porque quer colocar) e levar um brinquedo todos os dias.

Ainda está fazendo um pouco de frio por aqui e por isso tive que colocar uma camiseta por baixo da fantasia, mas mesmo assim ela ficou a colombina mais linda do mundo! 

As fotos não ficaram muito boas porque a mamãe aqui esqueceu de ligar o flash (dã) e a modelo só queria saber de comer a sua bolachinha antes de ir para a escola! kkkkk


Fazendo o pacote de fraldas de banquinho

Tadinho do Patati


Hahaha... a Nina saiu na foto!


Não adianta chamar, que eu não vou olhar! kkkkk

terça-feira, 8 de outubro de 2013

A polêmica da Galinha Pintadinha

Desculpem a ausência... Fiquei uma semana em casa, com problemas na coluna, e acabei não postando nada no blog... Ainda não estou 100%, preciso fazer fisioterapia, mas estou melhor e tentando retomar a rotina. 

A Malu ficou muito preocupada com o dodói da mamãe... Ela achou que o adesivo com antiinflamatório que eu estava usando nas costas era um curativo e deu muitos beijinhos para a mamãe ficar boa. Em outra ocasião ela me pediu colo ("coinho" como ela diz) e quando a peguei, ela perguntou se eu estava melhor. Mamãe fica toda orgulhosa da filha carinhosa que tem!


Mas mudando de assunto... Mesmo afastada do trabalho e do blog, não pude deixar de acompanhar a polêmica que se criou em torno de um dos desenhos infantis mais amados de todos os tempos: a Galinha Pintadinha.


Para quem não sabe do que eu estou falando, tudo começou com essa postagem aí em uma comunidade de mães e gestantes:



Além desse post, existem diversos vídeos no youtube afirmando que músicas infantis possuem mensagens subliminares e logo a discussão se espalhou pelos blogs e grupos de mães do facebook. 

Então, a Galinha Pintadinha é do mal? Como assim? 

A minha primeira reação com foi achar tudo muito engraçado, uma grande besteira, mas vamos aos fatos:
  • Essa história de que os desenhos infantis contém mensagens sublimares não é novidade! Lembro que teve uma época que falavam das músicas da Xuxa, que se você ouvir a música do Xuxucão ao contrário vai ouvir falar no "capeta"... Mas fala sério, qualquer música ouvida ao contrário vai ficar bem estranha, né? Eu ouvi muito a Xuxa na época do Xou da Xuxa e não me tornei uma pessoa do mal por isso. 
  • A maioria das músicas da Galinha Pintadinha são cantigas do folclore brasileiro, cantadas por gerações e gerações. Nós deveríamos ficar orgulhosos por eles estarem resgatando essas cantigas e tornando-as conhecidas das novas gerações, promovendo a cultura do nosso país, ao invés de importar a cultura dos outros como a maioria dos desenhos infantis faz. 
  • A música "FLI FLAI FLU" pode ser estranha (mas eu gosto!), fiquei sabendo que ela vem do hino dos escoteiros e, convenhamos, ninguém pega gripe através de uma música. Gripe se pega através do VÍRUS DA GRIPE!
  • O Mestre André que dizem que é o tal Zé Pilintra, para mim parece mais um mestre de escola de samba e nada mais. 
  • A música dos Elefantes é sem dúvida a mais chata da Galinha Pintadinha, eu mesma costumava passar adiante o DVD quando chegava nela, mas não consigo escutar nada além de "Ufa" no final da música.
Sem querer entrar em questões religiosas, faço minhas as palavras do Pr. Daniel Antônio:

Fui surpreendido ao saber que a Galinha Pintadinha "é do capeta", de fato fiquei tão preocupado que fui pesquisar a respeito e descobri 10 verdades. 

1 - Descobri que a inocência de uma criança está acima da maldade das pessoas.

2 - Descobri que as crianças são guardadas por Deus e é Ele quem zela por elas.

3 - Descobri que se alguma criança se desvirtuar por conta da GP é por que os pais não lhe deram a devida atenção e não por causa da Galinha.

4 - Descobri a espiritualidade das pessoas está mais ligada ao que é mal e demoníaco do que o que é abençoador, procuram enxergar mais a Satanás do que a Deus.

5 - Descobri que flu significa porcaria nenhuma e que meu filho de 1 ano e nove meses fica resfriado porque o tempo muda e os vírus estão no ar.

6 - Descobri que as pessoas estão mais preocupadas com bobeiras do que com o que é sério, quantas crianças estão de fato debaixo da influência do mal sendo exploradas, sacrificadas, abusadas, sem estudo, sem comida, sem abrigo e tantas outras coisas que são submetidas que eu preferiria muito mais que todas estas pudessem na sua inocência assistir a Galinha Pintadinha do que sofrer esta dura realidade.

7 - Descobri que tem muita gente que precisa arrumar o que fazer porque ficar buscando na internet o significado de palavras sem sentido e ficar vendo e revendo a galinha pintadinha só para pegar alguma coisa é falta do que fazer.

8 - Descobri que na minha infância tinha balão mágico, bozo, xuxa, mara maravilha, trem da alegria, e tantos outros que deviam "ser do diabo" mas nem por isso me tornei do diabo ou com alguma maldição porque Cristo é maior do que qualquer maldição.

9 - Descobri que na Bíblia está escrito que o Reino dos Céus pertence as crianças, se nós olhássemos o mundo como elas não veríamos tanta maldade em tudo, não teríamos o desejo de fazer o mal a ninguém, a vida seria brincar, cantar, sorrir, colorir e se divertir.

10 - Descobri que o pecado está não no que entra em nosso coração mas naquilo que sai, quando concebemos o pecado, tem muita gente pecando deixando o desejo de tagarelar tomar lugar na sua vida.

Então, gente, vamos esquecer essas bobagens e deixar nossos pequenos curtirem as músicas que eles gostam. A Malu curtiu muito a Galinha Pintadinha, hoje não é mais o seu desenho favorito, mas teve uma época que ela só ficava quietinha se fosse vendo a Galinha e eu aproveitava para as fazer as coisas em casa (E que mãe não fez isso?). Por isso, muito obrigada, Galinha!