terça-feira, 30 de julho de 2013

Passeio no Parque Ecológico

A Malu adora passeios ao ar livre, então sábado, aproveitamos o sol e fomos ao Parque Ecológico do Córrego Grande, também conhecido como Horto Florestal. 

O Parque  Ecológico fica próximo à Universidade Federal de Santa Catarina, ocupa uma área de cerca de 22 hectares e é a sede do Departamento de Educação Ambiental da FLORAM (Fundação Municipal do Meio Ambiente). Possui dois lagos, trilhas, pista para caminhada, parque infantil, aparelhos de ginástica e quadras de vôlei, muito verde e vários bichinhos para a criançada conhecer. Tem também algumas meses para piquenique, onde as famílias fazem até festas de aniversário. Ainda quero fazer uma festa da Malu lá!

A Malu aproveitou bastante o espaço livre, correu muito, brincou um pouco no parquinho e andou de motoca. Pena que os brinquedos do parquinho não são muito adequados para a idade dela (são muito altos).

Ela ficou encantada com os bichinhos que são criados no parque: tartarugas (ou seriam cágados?), coelhos, patos, porquinhos-da-índia e também viu alguns sagüis que ficam soltos na mata. A moleca quis correu atrás de algumas galinhas e de um galo. Será que ela achava que era a Galinha Pintadinha e o Galo Carijó? kkkkk

Para quem é de Florianópolis ou vier a passeio, fica a dica de um lugar muito legal para levar os pequenos. 

Mais informações sobre o parque estão disponíveis nos sites: 

Agora vamos às fotos:

Malu desfilando todo o seu charme no parque
Atrás das galinhas
Vendo o macaquinho sagüi
Olha ele aí!
As tartarugas ou cágados ou jabutis????
Porquinhos-da-índia
No balanço
Não curtiu muito a gangorra
Escorregador só com o papai
Voltando para casa de motoca
Última foto, já com carinha de cansada





segunda-feira, 29 de julho de 2013

A melhor mãe do mundo!

Sábado a Malu estava jantando enquanto na TV passava a novela Flor do Caribe. A pequena, que não deixa passar nada, estava prestando a maior atenção numa cena em que a Ester (Grazi Massafera) chora porque está com medo de perder a guarda dos filhos e fala " - ah, a moça tá tiste, tá chorando"...

Até que para consolá-la, o Cassiano (Henri Castelli) fala que ela é a "melhor mãe do mundo". A Malu aponta para mim e dispara " - Não, mamãe, é você

Adivinhem se não me derreti toda e amassei um monte essa minha filha mais linda do mundo!

Fotos de sábado de manhã: Mamãe com cara de sono e Malu com a corda toda antes das 8 da manhã!




sexta-feira, 26 de julho de 2013

A ligação entre mãe e filho

Esta noite não foi tão fria como a anterior, mas mesmo assim a Maria Luísa dormiu no seu berço portátil no quarto da mamãe e do papai, até que às 3:40 h da manhã, eu acordo com alguém falando: "- mamãe acodei"... Meio grogue, salto da cama, vou até o berço e a pequena me diz "- Não acho o meu mumu" (mumu é o nome que ela mesma deu para a sua chupeta). Eu procurei a chupeta perdida entre as cobertas e a coloquei na cama comigo, aconchegando-a nos braços e cobrindo para que ficasse bem quentinha.

Ela dormiu e, um pouco antes das 7 horas, acordou novamente, sentou na cama e depois deitou sobre o meu corpo e ficou ali, fechando os olhinhos de sono...

Fiquei contemplando a minha cria, sentindo o coração se encher de amor e pensando no quanto é forte essa ligação da mãe com o seu filho, ou pelo menos, no quanto eu sou ligada na Maria Luísa. Não consigo deixar de atender ao seu chamado, de querer ajudá-la quando cai, tenho até alguma dificuldade de dizer "não" ao que ela me pede com carinha de choro...

Tudo isso deve ser porque eu tenho uma ligação emocional muito forte com ela, né?

Essa ligação começou mesmo antes dela ser gerada... Lembro das vezes que "conversei" com ela dizendo que poderia vir, menina ou menino, que eu iria amá-la de qualquer jeito, e do quanto estava esperando por ela... Durante a gravidez, senti esse vínculo crescer mais e mais a cada movimento, cada chute, cada soluço que tinha até horário marcado... Ela nasceu, cortando a ligação física que existia entre nós, mas criando um laço emocional ainda maior, fortalecido pelo olhar, pelo cheiro, pelo toque, pelo amamentar, pelo cuidado... Aquela bebezinha linda e indefesa, dependia tanto de mim, mas eu muito mais dela! 

Ela está crescendo, não depende mais tanto de mim, está começando a ter suas próprias ideias e vontades, mas eu sinto que nos momentos em que precisa de apoio e aconchego é a mim que ela recorre ou ao pai (ok, não vou desprezar o vínculo que ela tem com o pai, mas desse quem pode falar melhor é o próprio pai, não é?). 

Eu sei que ela vai crescer ainda mais, vai entrar na adolescência, fase complicada para a relação mãe-filha (eu bem lembro de como era a relação com a minha mãe nessa fase), mas eu espero que ela ainda queria o meu colo quando precisar e que saiba que pode contar comigo, pode me chamar a qualquer hora, esteja eu onde estiver, que farei de tudo para atendê-la! 

Filha, mamãe está aqui! 






quarta-feira, 24 de julho de 2013

Parabéns, mamãe Kate e papai William

Eu não sou nem um pouco fã da Família Real Britânica (ou qualquer outra família real), acho a Rainha-Mãe bem cafona e que o Príncipe Charles tem mais cara de sapo do que de príncipe! kkkkk Mas confesso que gosto do casal Willian e Kate, pela simpatia e simplicidade que parecem ter e, me alegrei com o nascimento do filho deles, cujo nome acabou de ser divulgado: George Alexander Louis. O nascimento de um bebê, seja ele quem for, sempre me alegra!

Close do rostinho do pequeno príncipe

A Duquesa Kate, já tão admirada, ganhou ainda mais simpatizantes quando trouxe o seu bebê ao mundo através de um parto natural, após 11 horas de trabalho de parto. Eu não imaginava que uma Duquesa faria isso! Eu não sou defensora do parto natural, eu mesma não passei por um, mas sei que isso a aproxima de muitas mulheres e a faz mais "real" ao olhos de todos.

O casal na saída do hospital

Achei admirável também o fato de Willian e Kate dispensarem babá (contrataram apenas uma governanta que irá cuidar da casa também), pois querer ser pais mais modernos e cuidar pessoalmente do filho, assim como qualquer mãe e pai mundo afora. 

Sorte do pequeno George, que terá o carinho da sua mãe e pai, pois até pouco tempo atrás, as princesas não cuidavam dos seus filhos, nem amamentavam, as crianças eram criadas pelas babás. 

Ao pequeno príncipe, como a todos os bebês, eu desejo muita saúde e que traga muitas alegrias aos seus pais, assim como a minha Malu trouxe para mim e para o papai. 

Aos novos papais, muitas felicidades!

terça-feira, 23 de julho de 2013

Que frioooooo!

No post anterior eu falei de sol e calor em pleno inverno... Pra quê, né? Agora o frio veio com tudo!

Desde domingo estamos enfrentando a maior onda de frio dos últimos anos. Ontem ainda estava chovendo, para piorar mais a situação, mas hoje o sol voltou a brilhar, apesar das temperaturas continuarem muito baixas. Nevou em muitas cidades de Santa Catarina, o que não seria novidade nenhuma, se fosse só na Serra Catarinense, em cidades como São Joaquim, Urupema, Lages... Mas nevou em cidades do Litoral, do Norte e do Vale do Itajaí, onde o fenômeno é muito raro.

Hoje de manhã, indo para o trabalho, pude ver a neve nos topos dos morros da Serra do Tabuleiro e não acreditei! Lindo demais!!!

Neve na Serra do Tabuleiro (Morro do Cambirela) vista da Baía Sul na Capital

Vista da Ilha de Florianópolis

Mas com todo esse frio a mamãe aqui fica tão preocupada... E que mãe não fica, né? Confesso que se pudesse não mandaria a Malu para a escola e ficaria em casa com ela... Mas como não posso, o jeito é agasalhar bem a pequena! Coloco muuuuita roupa, meia-calça por baixo da calça, meia, cachecol, luvas, gorrinho e um casaco por cima de tudo! A pequena mal consegue se mexer! kkkk

Indo para a escola toda agasalhada

Mas a minha maior preocupação é a noite. Sempre coloco dois pijamas ou um pijama e um conjunto de moletom, mas parece que nunca é o suficiente. E para o meu desespero a Dona Malu não pára coberta durante a noite! Essa noite ela até dormiu  no berço portátil no quarto da mamãe e do papai que tem ar-condicionado e onde pudemos ver se ela está coberta com mais facilidade. 

Mas será que esses cuidados são suficientes?

Olhem só essas dicas de cuidados com o frio:
  • Ofereça mais líquidos para os pequenos, isso ajuda a prevenir as doenças respiratórias, como gripes e resfriados. Sopinhas nutritivas são uma ótima pedida para os dias mais frios e ajudam a hidratar os pequenos. 
  • Evite levar as crianças e bebês para locais fechados, como restaurantes, teatros, shoppings, pois as doenças respiratórias são contraídas com mais facilidades nesses locais.
  • Na hora do banho, feche bem as janelas e portas e, se possível, banhe e troque o pequeno no mesmo ambiente. Procure vesti-lo rapidamente, começando pela parte de cima, protegendo o tórax. 
  • A pele dos pequeninos costuma ficar mais áspera e ressecada por conta do ar gelado e seco. Para evitar esse problema dê banho de água morna, cuidado com a água quente demais, o ideal é 36ºC e também passe um hidratante, de preferência hipoalergênico, sem perfume e feito para crianças após o banho. 
  • Agasalhe bem as crianças, inclusive a cabeça. Use toucas e gorrinhos quando sair com eles na rua. Dentro de casa não é necessário. Mantenha sempre as extremidades bem aquecidas, mas cuidado para não exagerar e provocar sudorese nos pequenos! 
  • Na hora de dormir, coloque pijaminhas de algodão aflanelado que protegem bem os bracinhos.
  • Se utilizar aquecedor no quarto, prefira os à óleo e lembre-se de colocar um recipiente com água no ambiente para umidificar. 
Fontes: Blog Cheirinho de Bebê e Portal Sempre Materna.

E você tem alguma dica de cuidado especial no inverno?












quinta-feira, 18 de julho de 2013

Passeio na Lagoa e ataques de birra

Esse post era para ter sido publicado na segunda-feira, estava lá salvo nos rascunhos... Mas as fotos foram tiradas com o celular do papai e só agora consegui baixar... Mesmo atrasado, aí vai!

Nesse final de semana São Pedro estava de muito bom humor e resolveu mandar sol e calor para Floripa, nem parecia inverno! Em dias assim, um dos passeios preferidos da Malu é ir na Lagoa da Conceição, cartão postal da nossa cidade e bem pertinho de casa.

A Lagoa é um lugar maravilhoso para as crianças correrem e brincarem, tem algumas sombras e um gramado gostoso. Pena que a água nem sempre está própria para banho.

Nós tivemos a companhia da nossa afilhada, Luísa e dos dindos, Flávio e Adriana.

As pequenas se divertiram muito, correram, andaram de motoca, comeram bolachinhas sentadas nas cadeiras de praias.

Pausa para um lanchinho

Enquanto o papai e o dindo aproveitam para aprender a andar de stand-up e as mamães colocavam o papo em dia.

Papai recebendo as instruções
E fazendo bonito na Lagoa

Depois do passeio, fomos almoçar no Restaurante Deca, um dos nossos preferidos em Floripa. 




* O Deca fica no Canto da Lagoa, é um restaurante simples, mas serve frutos do mar fresquinhos a um preço muito justo. Tem pratos sempre bem servidos e um bom atendimento, além de ter essa vista da foto abaixo.

É ou não é uma linda vista?
Esperando o almoço
Momento "corujice" da mamãe

A Malu adora jogar as batatas fritas que sobram para as gaivotas no deck. Mas dessa vez, as gaivotas não se deram muito bem, porque um cardume de bagres resolveu acabar com as batatas e as gaivotas ficaram só vendo de longe! rsrsrs

Malu e o papai no deck
Jogando batata para as gaivotas... 
ou melhor, para os bagres gulosos
As gaivotas só olhando

Ah! A Dona Malu já sabe que lá tem picolé e depois do almoço foi direto para o freezer pegar o seu (sempre de fruta, sem leite!).

Saboreando o seu picolé de uva

Mas apesar desses momentos deliciosos que passamos, a Malu vem tendo uns ataques de birra complicados de lidar. Sempre que contrariada, ela dá tapas, joga os brinquedos no chão, chora...

Além disso, toda mudança de atividade é um sufoco! Ela não quer deixar de assistir um desenho para tomar banho, depois não quer sair do banho, não quer colocar a roupa que eu escolho, não quer ir dormir na hora que deve (mesmo caindo sono!)... não quer isso, não quer aquilo! 

Olha, que eu e o papai conversamos, explicamos o que ela pode e não pode fazer, mas parece que só a conversa não está adiantando muito.

Eu sei que é uma fase e que vai passar, mas mesmo assim, não acho que não dá para simplesmente esperar ela crescer e estou em busca da melhor forma para lidar com essas crises.

Eu não gosto muito da técnica do "cantinho da disciplina" tão difundida para acabar com esse tipo de comportamento e estou em busca de outras alterativas. Uma mamãe do fórum do Baby Center me falou da Disciplina Positiva. Estou pesquisando sobre o assunto e em breve deve sair um post. Aguardem!

quarta-feira, 17 de julho de 2013

A importância da Cadeirinha

Este post é um pedido de uma amiga, a Nathália, mãe da pequena Luiza que tem a mesma idade da Malu, que eu não poderia deixar de atender.

No último final de semana, a Nathália passou por um grande susto quando a Luiza sofreu um acidente de carro junto com os tios. A pequena sempre anda em sua cadeirinha, mas na ocasião não estava porque os tios acharam que não era necessário, já que o trajeto era curto. 

Felizmente, a Luiza sofreu apenas ferimentos leves causados pelo air-bag do banco dianteiro que a atingiu no colo da tia e passa bem. Mas se estivesse na sua cadeirinha, certamente, ela não teria se machucado. 

Esse é o alerta que eu e a Nathália queremos fazer: Nunca deixe de colocar o seu filho na cadeirinha, mesmo que seja para ir só até a casa da avó ou a padaria da esquina. Nunca!

A Malu saiu da maternidade no seu bebê-conforto, que foi trocado por uma cadeirinha maior quando ela atingiu o peso limite do bebê-conforto. Ela está super acostumada com sua cadeira e, geralmente, não reclama de ficar nela. Mas depois do que aconteceu com a Lulu, pode até reclamar, que não ficará solta no carro de jeito nenhum!

Malu no seu primeiro passeio de carro

Feliz da vida quando ganhou a sua cadeira nova

Já que estamos falando no assunto, achei essas dicas para prevenção de acidentes da ONG Criança Segura muito interessantes:

DICAS PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CARRO

A maneira como a criança é transportada no carro pode ser tão importante quanto fatores como velocidade do veículo e condições da estrada. O acidente de trânsito (que vitima a criança na condição de pedestre, passageira de veículo e ciclista) é a causa líder de mortes por acidentes na faixa etária de 0 a 14 anos no Brasil. Em 2010, 685 crianças morreram como passageiras de veículos e 3.673 foram hospitalizadas, segundo Ministério da Saúde.

Como transportar a criança com segurança em um automóvel
A melhor proteção para a criança no carro é o uso de cadeiras e assentos de segurança. O cinto de segurança é projetado para adultos com no mínimo 1,45m de altura e por isso não protege os pequenos dos traumas de um acidente.

Nunca saia de carro com crianças sem estes sistemas de retenção, mesmo que seja para ir até a esquina.

Entretanto, não basta apenas comprar um desses artigos para garantir a segurança da criança. É essencial usar cadeiras certificadas, apropriadas ao peso da criança e que se adaptem devidamente ao seu veículo. É importante instalar o equipamento de acordo com as instruções do manual. A maioria das cadeiras e assentos de segurança é instalada de forma incorreta.

A Resolução 277 do CONTRAN – Conselho Nacional de Trânsito regulamentou o transporte de crianças em veículos. Segundo a norma, publicada em maio de 2008, crianças de até sete anos e meio devem ser transportadas obrigatoriamente no banco traseiro e em dispositivos de retenção de acordo com a idade. Em 2010, mas precisamente no dia 1º de setembro, iniciaram as ações de fiscalização por parte dos órgãos de trânsito. Para saber mais sobre a resolução e a forma correta de transportar a criança no veículo, faça uma aula virtual sobre o tema e consulte o Guia da Cadeirinha.

CADEIRAS AMERICANAS E EUROPÉIAS: são certificadas ou seguem normas específicas de seus países. Qualquer produto proveniente dos Estados Unidos ou da Europa leva obrigatoriamente o selo de certificação ou segue padrões de segurança para fabricação e testes.

CADEIRAS BRASILEIRAS: certifique-se de que possui o selo do Inmetro. Esta é a garantia de que o produto foi testado e pode resistir a um acidente. Se o produto não possui a certificação, não compre.

Saiba mais:
• Muitas colisões acontecem próximo à área de destino e origem ou em ruas com baixos limites de velocidade. Por isso é importante usar a cadeira sempre, mesmo em pequenas distâncias;
• Esteja atento ao selo de certificação de Padrões de Segurança Brasileiro (selo do Inmetro), Europeu ou Americano. O Brasil possui a NBR 14400, norma obrigatória que estabelece os requisitos de segurança de dispositivos de retenção para criança em veículos (cadeira e assento de segurança). Todos esses dispositivos vendidos em território nacional a partir de 1º/10/2008 devem conter o selo do Inmetro;
• Uma cadeira de segurança somente recebe o selo de certificação após passar pelos testes que garantem sua eficácia no caso de colisão:
• Teste estático: a cadeira é verificada quanto à resistência dos cintos, das fivelas, toxidade dos materiais usados, etc;
• Teste dinâmico: “car crash” - a cadeira é instalada dentro de um carro que colidirá contra um muro a 50 km/h.
• O airbag do passageiro pode machucar seriamente uma criança que estiver sentada no banco da frente, por isso, se for transportar uma criança em camionete, desative esse dispositivo;
• Estudos americanos mostram que cadeiras de segurança para crianças, quando instaladas e usadas corretamente, diminuem os riscos de morte em até 71% em caso de acidente;

Os ERROS mais comuns são:
• Usar uma cadeira inapropriada para a idade e o tamanho da criança;
• Colocar uma criança menor de 1 ano de idade ou com menos de 13 kg em uma cadeira de segurança de frente para o movimento;
• Não instalar a cadeira bem presa ao banco do carro e não colocar a criança corretamente na cadeira de segurança.

Aproveitando, não deixe de ver esta matéria do programa Bem Estar sobre as crianças que foram salvas pela cadeirinha.

Lembrando que algumas marcas de cadeirinhas estão fazendo um recall para a troca das fivelas do cinto. Veja mais informações aqui.

terça-feira, 16 de julho de 2013

A mamãe está de dieta!

Hoje, para variar um pouco, eu não vou falar da Malu, vou falar só da mãe da Malu! rsrsrs

Pois é, estou de dieta... Mas antes que digam que eu não estou gorda, deixa eu contar essa estória desde o início para vocês entenderem melhor...

Bom, eu nunca fui magrinha, sou alta (tenho 1,69 m) e tenho estrutura óssea grande, mas eu me sentia bem com o meu corpo... Até que, não lembro bem quando, mas deve fazer uns 10 anos, comecei a engordar... Fiz todas as dietas possíveis e imagináveis, tomei shakes, remédios controlados (esses sempre com acompanhamento médico), fiz exercícios físicos sem muita vontade, mas depois que parava, engordava tudo novamente e mais um pouco...

Até que em 2010 eu estava muito insatisfeita com o meu peso, cheguei aos 82 kg! Mas como estava tentando engravidar, fiquei com medo de tomar remédios e procurei uma alternativa para emagrecer de forma saudável. Foi quando conheci Dieta & Saúde que é um programa de emagrecimento baseado no sistema de pontos, me associei e comecei a seguir a dieta e fazer exercícios físicos.

Antes da dieta com 82 kg

Emagreci 7 kg em 3 meses, queria emagrecer mais, mas descobri que estava grávida da Malu e tive que parar a dieta. Procurei, então, uma nutricionista para continuar me alimentando corretamente e assim evitar engordar demais.

Depois de 3 meses de dieta com 75,2 kg
Já estava grávida e não sabia!

Assim mesmo, engordei 15 kg durante a gestação! Apesar da minha médica não considerar muito para a minha altura, eu me sentia enorme e achava que jamais iria voltar ao peso de antes...

Na véspera do parto com 90 kg

Mas me enganei! Cheguei da maternidade pesando 8 kg a menos, 1 mês depois já tinha eliminado 12 kg e 6 meses depois que a Malu nasceu eu pesava 18 kg a menos... Ou seja, eliminei os 15 kg ganhos na gravidez e mais 3 e tudo isso sem fazer dieta e nem exercícios, apenas amamentando essa gordinha ai da foto! (Ah! Depois que a Malu nasceu, acho que não tenho nenhuma foto sozinha! kkkkk)

8 meses depois com 69 kg

Amamentei a Malu por 1 ano e 2 meses, quando ela decidiu parar de mamar... Depois disso, engordei uns 3 kg e estabilizei... 

Mas nos últimos meses, engordei novamente pelo simples motivo de estar comendo demais e resolvi que é hora de voltar para a dieta e evitar um estrago maior! Não posso me permitir voltar ao peso de antes depois de ter emagrecido tanto!

Atual com 75 kg
Escrever isso aqui é uma forma de me comprometer a seguir a dieta com seriedade! Essa não é uma tarefa fácil para quem gosta de cozinhar (e comer) como eu e ainda tem um blog com receitas, mas vou ter que aprender a cozinhar para a Malu e comer com moderação! Outra dificuldade que estou tendo, é não ter tempo para exercícios físicos. 

Espero voltar a falar no assunto daqui a alguns meses quando chegar na minha meta! Me desejem boa sorte, por favor! 

P.S: Eu faço propaganda de graça para o Dieta & Saúde porque acredito na seriedade do programa e dos profissionais que estão por trás do site. Comprovei que é possível emagrecer sem remédios e de forma saudável! Basta ter foco e determinação!

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Receitas: Pão recheado e esfirra de carne

Fazer pão nunca foi a minha especialidade! Lembro de uns pãezinhos que fiz quando tinha meus 16 anos que ficaram tão duros que prometi nunca mais fazer pão! A minha mãe riu tanto! kkkkk

Durante muitos anos cumpri a minha promessa, até que comprei uma máquina panificadora e fiz alguns pães bem gostosos... Mas, a tal máquina resolveu dar defeito e eu ainda não mandei arrumar....

Só que eu queria uma receita de pão para colocar aqui no blog e encontrei essa. Fiz algumas pequenas adaptações e não é que deu certo?! Os pãezinhos ficaram macios e gostosos. 

O melhor foi ver a minha princesa se divertindo com a massa. Ela tinha acabado de comer o seu lanchinho e usou a mesa do cadeirão como bancada. 

Malu fazendo pãozinho

Aqui está a minha receita:

Ingredientes

600 g de farinha de trigo (cerca de 5 xícaras)
1 envelope de fermento instantâneo
3 colheres (sopa) de óleo
1 colher (chá) de sal
1 colher (sopa) de açúcar
1 ovo
1 1/2 xícara (chá) de água morna
1 gema para pincelar
Orégano para polvilhar

Recheio: Pode usar o recheio que desejar, eu usei peito de peru picado e mandiokejo. Só acho que essa massa não serve para recheios doces, porque fica mais salgadinha.

Modo de preparo
Em um recipiente coloque a farinha de trigo, o sal e misture, depois acrescente o fermento instantâneo e os demais ingredientes. Misture com a mão e adicione mais farinha, se necessário. Sove até formar uma massa macia. Deixe crescer, coberto com um pano, de preferência num local fechado como o forno, até dobrar de volume. 
Divida a massa em bolinha, abra com um rolo, recheie, feche e coloque em uma assadeira untada e enfarinhada. 
Pincele com a gema e salpique orégano sobre a massa.
Leve ao forno pré aquecido por aproximadamente 30 minutos ou até dourar. 



Saindo do forno

Por dentro

Praticamente com a mesma receita, eu fiz esfirras de carne. Apenas diminui a quantidade de farinha de trigo para 300 gr e o fermento para meio pacotinho. Para o recheio usei carne moída refogada com cebola, alho, pimentão e tomate. Ficou uma delícia!

Ah! Eu não tinha a menor ideia de como iria fazer o formato da esfirra...Tentei fazer cortando a massa em quadrados, mas não deu certo... Então, resolvi recorrer ao Google e achei a resposta nesse vídeo.

Esfirras de carne
* Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.

segunda-feira, 8 de julho de 2013

A mudança de escola / Encontro com as amiguinhas / Dodói no ouvido

Hoje a mamãe está cheia de novidades para contar!

Mudança de escola
Para o alívio da mamãe, a primeira semana da Malu na nova escola transcorreu melhor do que o esperado! A pequena reagiu bem à mudança, não chorou nenhum dia para ficar na escola e olha que o papai a levava até o portão e ela entrava sozinha!
Na segunda-feira ela ficou só até o meio-dia, na terça ficou até depois da soneca da tarde e na quarta já ficou o dia inteiro!
Claro que o fato de conhecer a professora ajudou muito, mas mesmo assim ficamos surpresos dela não ter estranhado as demais professoras e o ambiente.
Nossa pequena já é uma mocinha!

Encontro com as amiguinhas Maria Clara e Ana Clara
A Malu já está começando a fazer novas amizades na escolinha nova, mas não esquece as antigas amizades, fala sempre dos coleguinhas que deixou na antiga escola, principalmente na Maria Clara e na Ana Clara.
Para que elas continuem com esse laço de amizade, a mamãe da Maria Clara nos convidou para visitá-la ontem. A Ana Clara e os pais também estavam lá.
Foi muito gostoso, elas brincaram bastante, pularam, assistiram desenho e lancharam juntas.
A mamãe da Maria Clara preparou um lanche muito gostoso para todos até com bolos sem leite que a Malu pode comer!
É tão gostoso ver o quanto elas se divertem juntas! Espero que possamos promover encontros como esse muitas vezes!

A bagunça foi tanta que não consegui uma foto melhor das 3! kkkk

Malu andando na motoca da Maria Clara


Dodói no ouvido
Hoje de manhã quando fui acordar a Malu para ir para a escola, ela sentou no berço, colocou a mão no ouvidinho e falou "dodói, mamãe".
Eu e o papai ficamos preocupados porque ela nunca se queixou de dor de ouvido e acabamos deixando ela em casa. Eu tive que ir trabalhar e ela ficou com o papai que a levou no pediatra à tarde.
Graças a Deus, não é nada sério. O ouvidinho está com uma leve infecção, mas o Dr. Fernando nem indicou o uso de antibiótico.
A baixinha cresceu e engordou bem desde a última consulta que foi no final de abril, está pesando 13.500 gr e medindo 87 cm (cresceu 3 cm!).
O Dr. Fernando mudou a vitamina dela para Vitamin 2 e não aconselhou o uso de vermífugo (eu pedi para o papai perguntar porque vi que alguns pediatras estão indicando para babies da mesma idade).
Ela passou bem o dia, se alimentou e dormiu normalmente, também está sem febre. Agora é esperar que a infecção melhore!

sábado, 6 de julho de 2013

Receita - Quibe de forno

Hoje passei para deixar uma receita muito gostosa e fácil de fazer: o quibe de forno. Rende bastante, fiz para o almoço de hoje da família toda.

Ingredientes:
500 gr de patinho ou outra carne moída
1 xícara de trigo para quibe
2 xícaras de água quente
1 cebola ralada
alho amassado
Sal
Temperos à gosto (pimenta-do-reino, salsinha, cebolinha, orégano, etc.)

Hidratar o trigo na água quente por cerca de 30 min, depois espremer num pano limpo. Juntar à carne moída e colocar os temperos. Misturar bem com a mão.
Untar um refratário com azeite e colocar a carne, apertando com a mão. Colocar um fio de azeite de oliva e levar ao forno coberto com papel alumínio por cerca de 30 min. Retirar o alumínio e deixar dourar.

Pratinho da Malu: Quibe com arroz, lentilha e salada de legumes cozidos


* Use sempre produtos da sua confiança e que você tenha informações sobre os alergênicos. Em caso de dúvidas, consulte o SAC.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Porque tantas crianças tem APLV?

Ontem o meu marido encontrou um ex-colega de trabalho e soube que a filhinha dele foi diagnosticada com APLV... Hoje uma amiga contou que a filha teve o mesmo diagnóstico... 

Eu fiquei pensando por que tantas crianças estão desenvolvendo essa alergia? O que nós estamos fazendo de errado? Será que poderíamos ter feito alguma coisa durante a gestação ou nos primeiros meses de vida do bebê para evitar esse problema?

Resolvi pesquisar um pouco sobre o assunto...

De acordo com o site Alergia à Proteína do Leite de Vaca, a ocorrência de alergia alimentar vem aumentando no mundo como um todo. Estima-se que 6% das crianças menores de três anos e 3,5% dos adultos apresentam algum tipo de alergia alimentar.

A alergia ao leite de vaca é a mais comum, depois dela são: soja, ovo, trigo, peixe, frutos do mar, amendoim e castanhas. Aproximadamente 1 em cada 20 bebês tem APLV!

Lembrando que a alergia é a reação adversa (despropositada, inesperada, anormal) do sistema imunológico (sistema de defesa do organismo) às proteínas dos alimentos.

Fatores associados ao desenvolvimento da alergia alimentar 

A influência genética / familiar é o fator mais associado ao desenvolvimento da alergia. Filhos de pais alérgicos possuem 75% de chances de ter alguma alergia. Além disso, a higiene tem sido considerada uma das possíveis causas do aumento das alergias alimentares, pois os hábitos de limpeza, as vacinas e os antibióticos tornam as pessoas menos expostas a infecções, acarretando alterações no sistema imunológico e aumentando as chances de desenvolver alergias. 

Outro fator associado à alergia alimentar, principalmente à proteína do leite de vaca (APLV) é o contato precoce com o alimento. Ao nascer, o intestino e o sistema imunológico do bebê ainda estão em fase de maturação, ou seja, ainda estão “aprendendo” a fazer a digestão dos alimentos e a defender o organismo contra substâncias nocivas.

O alimento ideal para os bebês é o leite materno. Pequenas quantidades das proteínas que a mãe consome passam através do leite materno, e assim o bebê vai lentamente tendo contato e se “acostumando” com os alimentos que consumirá no futuro. Esse processo chama-se desenvolvimento de tolerância.

No entanto, se o bebê ingere leite de vaca precocemente, as chances de desenvolver APLV aumentam. Como o organismo do bebê ainda está “aprendendo” a fazer a digestão dos alimentos, pode ter dificuldade para digerir o leite de vaca, e absorver suas proteínas inteiras, antes de serem digeridas até peptídeos e aminoácidos. O sistema imunológico do bebê, que também ainda está em fase de amadurecimento, pode confundir a proteína do leite de vaca com algo nocivo e começar a reagir, desencadeando a alergia.

Então, eu me pergunto: 

  • Por que somente depois de ter um filho diagnosticado com a alergia é que temos esse tipo de informação? 
  • Por que maternidades continuam dando leite de vaca para bebês que acabaram de nascer? Eu soube que fizeram isso com o bebê de uma amiga a poucos meses e quase tive um infarte!!!
  • Por que pediatras continuam liberando "complementos" com leite de vaca para bebês antes dos 6 meses de idade, cujas mães "supostamente" não estão produzindo leite suficiente?
  • Por que quando você fala para o pediatra que está preocupada com a sua volta ao trabalho ou com a ocorrência de uma emergência que te impeça de amamentar ele não te incentiva a tirar leite materno e oferecer para o bebê num copinho ao invés de dar uma mamadeira com fórmula? Foi o que aconteceu com a Malu!
São perguntas sem respostas... 

Hoje termino esse post com um sentimento de revolta muito grande! Mil desculpas aos que me acompanham por isso... Esse não é o meu estado de espírito normal. Eu procuro encarar a alergia da Malu sempre de forma positiva e ter fé que a cura está muito perto, mas tem horas que não dá! 

Eu penso que talvez pudesse ter evitado a alergia da Malu se tivesse essa informação antes... Então, se você conhece alguém que está grávida ou teve bebê a pouco tempo, fale para ela da importância do aleitamento materno exclusivo até os 6 meses para evitar as alergias alimentares e que as fórmulas infantis que contém leite de vaca devem ser utilizadas somente em último caso, se possível que continuem amamentando até 1 ano ou 2! 

Se essa informação puder evitar 1 caso de APLV eu já estarei feliz!





quarta-feira, 3 de julho de 2013

Xô, tosse chata!

Muitas da minhas amigas que tem filhos da mesma idade da Malu tem comentado que os pequenos estão tossindo muito. Acho que é um problema bem comum nessa época do ano, né?

A Malu estava super bem, mas uma tosse chata resolveu incomodar essa noite... Esperei um pouco para ver se passava, mas como ela continuava a tossir, levantei e dei o xarope homeopático que tem ajudado muito. Ela tossiu mais um pouco e, cerca de 1 hora depois, estava dormindo e não tossiu mais. Daqui a pouco eu falo mais desse xarope.

Apesar dessa "tossezinha", que ataca de vez em quando, ou um narizinho escorrendo um pouco, a Malu está iniciando esse inverno super bem de saúde! Nessa mesma época do ano passado ela não estava tão bem, tinha muito chiado no peito e infecções respiratórias que nos obrigavam a visitas quase semanais ao pediatra e me fizeram ficar 15 dias com ela em casa. Depois de um tratamento de reforço imunológico com aromaterapia e devido ao seu próprio crescimento, hoje ela está muito mais resistente! Que continue assim!

Vamos falar um pouco sobre a tosse:
Com a chegada do frio, poluição, ambientes fechados, ar seco conspiram em favor das gripes, resfriados e alergias que, com freqüência, tem a tosse como companheira. As crianças menores são as que mais sofrem. "Estão mais sujeitas porque ainda não têm o sistema imunológico bem desenvolvido", afirma o pediatra Francisco Antonio Dutra Rodrigues. Ele lembra que a tosse incomoda, mas é um mecanismo de defesa. A pediatra Ana Maria Escobar explica: "Quando o ar cheio de poeira penetra nas vias aéreas, a mucosa produz uma grande quantidade de secreção para expulsar o agressor".

Produtiva e seca
Há tosses e tosses. As características principais as dividem basicamente em dois grupos: a produtiva, que ajuda a expelir o catarro, e a seca, que lembra o latido de um cachorro e ocorre sem secreção. "Na laringite, a tosse é rouca. Na asma, é inicialmente seca e irrita a garganta. Na sinusite, a tosse alterna-se entre seca e produtiva, que piora ao deitar", relata o pediatra Dutra. Apesar dos desconfortos, os especialistas ressaltam que a tosse raramente merece ser combatida. "Apenas quando chega a atrapalhar as atividades normais da criança", diz a pediatra Ana. Sendo assim, podem entrar em cena os xaropes antitussígenos, que inibem a tosse seca, ou os mucolíticos, que ajudam a dissolver o catarro, facilitando a expectoração. Só que remédio para tosse tem de ser indicado pelo pediatra. Não se deixe influenciar por conselhos de amigos, como aconteceu com a enfermeira Cláudia Migliori, mãe de Maria Luiza, 2 anos. Acatando palpite alheio, deu um xarope à filha que estava resfriada e levou bronca do pediatra. Foi orientada a driblar a tosse com soro fisiológico nas narinas, inalação e vaporização. "Segui a dica, quando Maria Luiza apareceu com tosse outra vez, até levá-la ao médico. E a tosse era por causa de uma bronquite asmática. Nesse caso, o médico explicou, um xarope contra a tosse poderia agravar o desconforto respiratório da minha filha."

Noite difícil
Quando a tosse ataca à noite, as mães logo pensam num leitinho quente para confortar o filho (menos eu, né? Já que a Malu não pode tomar leite! kkkkk). Esqueça essa idéia. Segundo os pediatras, líquidos quentes dilatam os brônquios e isso piora a tosse. O melhor, para aliviar o problema momentaneamente, é levantar um pouquinho a cabeceira da cama para a criança dormir e pingar no nariz mais soro fisiológico. Veja outras dicas:
- Durante o período da tosse, ofereça muito líquido à criança. Favorece a dissolução do catarro.
- Na hora do banho, mantenha o local bem fechado e incentive seu filho a aspirar. Vale quase por uma inalação.
- Pratique a tapotagem: leves tapas nas costas da criança, na altura dos pulmões, ajudam a desgrudar o catarro.

Fonte: Crescer - Notícias

Gostei muito dessas dicas e vou colocar em prática! Mas voltando a falar do xarope homeopático... Ele chama-se Stodal, foi indicado pela amiga Clara, mãe do Davi, e, por ser homeopático, confesso que acabei dando por conta própria para a Malu... Mas depois falei com o pediatra dela e ele liberou (Ufa!).

Quando dei esse xarope para a Malu a primeira vez, ela estava com uma tosse persistente, tinha crises muito fortes toda noite e parecia que ia se engasgar! O pediatra dela havia indicado outro xarope (Acetilcesteína), mas não fazia nenhum efeito. Depois da primeira dose do Stodal, a pequena dormiu a noite toda e com 5 dias de tratamento, a tosse sumiu (só voltou essa noite e mesmo assim com bem menos força). Desde então, esse é o xarope da Malu.

Para saber mais sobre o xarope, acesse aqui.

* Gostaria de esclarecer eu não ganho nada com a indicação desse xarope, não tenho nenhuma ligação com o laboratório que o produz e nem com quem o vende. A minha intenção é apenas compartilhar uma informação que pode ajudar outras mães que passem pela mesma situação e não substitui a orientação do médico pediatra em nenhuma hipótese.


terça-feira, 2 de julho de 2013

Malu "Manezinha"

Acho que nunca conheci uma criança que gostasse tanto de uma manifestação folclórica quanto a Malu! Apresentado à pequena pela escolinha, o Boi-de-Mamão virou sua grande paixão, a ponto dela pedir para assistir aos vídeos no youtube como se fosse um desenho,  ficar cantando as músicas e falando os nomes dos personagens. Seus brinquedos favoritos agora são os bichos de pelúcia que lembram os personagens do Boi-de-Mamão. É uma legítima "manezinha da ilha"!

* Para quem não conhece o termo, "manezinho" é uma maneira carinhosa de chamar o nativo de Florianópolis. 

Essa é uma foto do Grupo "Alivanta Meu Boi" que ela teve a oportunidade de assistir na escola e nas festas juninas.

Grupo Folclórico "Alivanta meu Boi"

Mas o que é Boi-de-Mamão?

O Boi-de-Mamão envolve dança e cantoria em torno do tema épico da morte e ressureição do boi. Esta brincadeira é encontrada em várias partes do país, recebendo diferentes nomes. No nordeste é conhecido como "Bumba Meu Boi" ou "Boi Bumbá".
Em Santa Catarina a brincadeira está presente em quase todos os municípios do litoral com o nome de "Boi-de-Mamão".
Antigamente, a brincadeira era conhecida em nosso litoral como "Boi de Pano", mas com a pressa de fazê-lo, acabaram utilizando um mamão verde para fazer a cabeça do boi. Daí o nome de Boi-de-Mamão, mantido até a época atual, onde se vê cabeças de todos os tipos, até mesmo de boi, menos de mamão.
A descrição mais antiga do folguedo, em Florianópolis, é de 1871 feita pelo historiador José Arthur Boiteux.

Como é a apresentado
Até algum tempo atrás, cerca de trinta anos, o folguedo era apresentado nas ruas da cidade, no período de junho a agosto. Os grupos percorriam as ruas do bairro, e se apresentavam em frente da casa daquele que contribuía com alguns trocados, o “dono da casa,” mencionado nos versos. Não havia valor fixo, cada um conribuia com o que podia. Hoje as apresentações se restringem a eventos e datas comemorativos, mas continuam tocando o coração de todos, principalmente das crianças.
Além dos integrantes do grupo que vestem fantasias e dão vida a diversos personagens, a cantoria é acompanhada por músicos com pandeiro, violão, gaita, incluindo um cantor que narra a estória.

Enredo
O boi de estimação de Mateus, homem simples do interior da ilha, come algo que lhe faz mal e acaba morrendo. Desesperado, Mateus busca ajuda do médico e curandeiro (ou benzedeira) para ressuscitá-lo. O boi ressucita, e toda a freguesia festeja.

Personagens
Os personagens são confeccionados com pano, esponja, papel maché, arame, madeira e materiais diversos, embora variem de acordo com o grupo, os principais personagens são:

Boi-de-Mamão: Figura do folguedo que morre durante a apresentação e é ressuscitado com o auxílio de um médico benzedor ou benzedeira.

Boi-de-mamão
Bernúnça (ou Bernuncia): Figura fantasmagórica que teria sido inspirada na figura do dragão celeste chinês. Durante sua apresentação, a bernúncia investe sobre o público engolindo crianças e dando à luz, em seguida, a uma bernuncinha.

Bernunça

Maricota: É uma mulher altíssima, vaidosa e desengonçada, que ao dançar rodopiando esbarra seus enormes braços em quem estiver descuidado.
 
Maricota (para a Malu é Maria-cota)
Cavaleiro: O cavalinho laça e recolhe o furioso Boi.
Cavaleiro

Cabra: É o boi das crianças, tem um porte menor e dança mais ligeiro.
 
Cabra
Outros personagens podem ser encontrados em alguns grupos como: urso, urubu, macaco, girafa, abelha, ema, barata, anão, cavalinho-marinho, etc.
Os personagens são acompanhados por cantoria e músicos com pandeiro, violão e gaita.
Fontes: http://adrenailha.com.br/experiencias/por-atividade/cultura-integracao/cultura-acoriana/ e http://www.vivonumailha.com/page2/page7/page7.html

Na minha opinião, é muito bom a criança ter contato e admirar a cultura da sua região e, no que depender de mim e do papai, a Malu vai poder assistir as apresentações do Boi-de-Mamão ou outras manifestações folclóricas da Ilha sempre que quiser.

E o seu pequeno, conhece o folclore da sua região?

Aqui está a prova do quanto ela gosta do Boi-de-Mamão!